Busca pela chuva provoca "guerra de nuvens" na China

A ânsia para provocar chuvas artificiais gerou um bizarro confronto pela posse de algumas nuvens no último final de semana na China. A "Guerra das Nuvens" ocorreu na Província de Hunan, quando cinco de seus distritos, gravemente atingidos por estiagens nos três últimos anos, passaram a bombardear incessantemente algumas formações nebulosas que cobriam a região.A "Guerra das Nuvens" começou na manhã desta última sexta-feira, quando os observadores meteorológicos dos distritos dePingdingshan, Zhubadian, Luohe, Xuchang e Zhoukou detectaram a aproximação de nuvens carregadas na região. A cidade deLuohe, a primeira na rota da formação nebulosa, montou rapidamente suas baterias de canhões e de foguetes portadores de produtos químicos e gelo seco para bombardeá-las. Duas horas depois, cerca de 18 baterias abriram fogo, disparando 725 bombas e 45 foguetes contra o cobiçado alvo durante oito horas ininterruptas.Mas, os sedentos vizinhos, percebendo a manobra, deram início a uma batalha que terminaria apenas na madrugada dedomingo. Juntos, os quatro distritos colocaram em posição de tiro um arsenal com mais de mil canhões e lançadores defoguetes. O que se seguiu, segundo fontes locais, foram 70 horas de intensos bombardeios contra a formação nebulosa. Aescalada do conflito gerou o inimaginável: os beligerantes aumentaram o "efetivo em combate" mobilizando, a peso de ouro, os seus respectivos reservistas de artilharia.Por três dias, os moradores destes cinco distritos se engalfinharam numa guerra para provocar chuvas artificiais que atenuassem a estiagem que assola suas localidades. A disputa de artilharia cessou apenas quando as nuvens, jáabsolutamente esgotadas, desaparecerem do horizonte de todos os distritos.Segundo as estimativas da prefeitura de Luohe, o volume das chuvas artificialmente provocadas ultrapassou a casa de 50milímetros na área urbana, enquanto chegou a 81 milímetros nas suas zonas rurais. Na avaliação dos meteorologistas daquele distrito, as precipitações artificiais devem amenizar os problemas causados pela estiagem durante os próximos 36 dias.Nos distritos de Pingdingshan e Xuchang, o volume pluviométrico ultrapassou a marca de 100 milímetros. Porém, na cidade de Zhoukou, o índice não excedeu a casa dos 27 milímetros na área urbana e os 7 milímetros na zona rural. Nas palavras de um de seus m eteorologistas, a ação dos ventos - que atuaram de sudeste para nordeste -, desequilibrou a batalha em favor dos adversários.Mas, todas as guerras têm seu preço. Os ônus proporcionados aos cofres públicos dos distritos que se envolveram na "Guerra das Nuvens" ainda não foram completamente divulgados. Até o momento, apenas o distrito de Luohe revelou o custo de sua "operação": 200 mil yuans (US$ 24,36 mil).Um dos meteorologistas do distrito de Zhoukou, no entanto, protestou formalmente contra a "Guerra das Nuvens". Ele alegou à imprensa local que "um determinado distrito", mesmo sob chuva torrencial, não cessou o bombardeio da formação nebulosa. Segundo ele, a população e a economia de seu distrito foi seriamente prejudicada e acabou pedindo ao governo central que regulamente o uso deste expediente em todo o País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.