Buscas correm contra o tempo atrás da caixa-preta

As equipes de buscas pelo voo MH370, da Malaysian Airlines, intensificaram os trabalhos nesta sexta-feira e estão usando equipamentos de alta tecnologia para tentar encontrar a caixa-preta da aeronave, que está desaparecida há quase um mês. No entanto, as autoridades da Austrália não têm muitas esperanças de que novos dados sejam descobertos e possam ajudar na busca pelo avião.

EDGAR MACIEL, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Agência Estado

04 de abril de 2014 | 07h21

Dois navios munidos com tecnologia especial de localização estão vasculhando uma rota submarina com cerca de 240 quilômetros, na tentativa de achar pistas dos destroços. Outros 14 aviões e nove navios participam da operação. Os esforços são para encontrar, principalmente, a caixa-preta. A vida útil do objeto tem previsão para acabar neste fim de semana e é o único meio dos investigadores descobrirem os motivos pelo sumiço do avião.

Os navios Ocean Shield, da Austrália, e HMS Echo, dos Estados Unidos, estão usando tecnologias especiais parecidas. A embarcação australiana leva um ''towed pinger locator'', dispositivo que é rebocado em baixa velocidade pelo navio, fornecido pela Marinha americana. A caixa-preta que está no fundo do mar emite pequenos sinais de dados conhecidos como ''pings''. A tecnologia equipada nos dois navios tenta ler pings que estão sendo emitidos no mar.

"Nenhuma evidência foi encontrada até o momento, então tomamos a decisão de procurar embaixo do mar na área em que é provável que o MH370 tenha sobrevoado", disse Commodore Peter Leavy, oficial da marinha australiana.

Tudo o que sabemos sobre:
BUSCASMALAYSIAN AIRLINES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.