Bush abusa do Air Force One para fazer campanha

George W. Bush utiliza o avião Air Force One para fazer campanha pela reeleição à presidência dos Estados Unidos muito mais do que qualquer um de seus antecessores, fazendo máximo uso político de uma máquina financiada pelos contribuintes norte-americanos. Enquanto seu rival democrata John Kerry precisa fuçar o caixa de sua campanha para fretar um avião e viajar pelo país, Bush muitas vezes viaja de graça para fazer campanha, declarando essas viagens como "oficiais" em vez de declará-las como "políticas". Mesmo quando a Casa Branca qualifica a viagem como política, seu custo para os cofres da campanha de Bush é mínimo. Nesse caso, o comitê de campanha do presidente precisa pagar somente o equivalente a uma tarifa de primeira classe para cada viajante da comissão política, conforme estabelece a Comissão Eleitoral dos EUA. Normalmente, isso significa pagar algumas centenas ou milhares de dólares para que o presidente e alguns de seus assessores façam a viagem. A quantia é mínima, se comparada com o custo de US$ 56.800 por hora de vôo do Air Force One. Trata-se, portanto, de uma vantagem que Bush, que concorrerá à reeleição em novembro, e outros presidentes desfrutaram. O presidente Bill Clinton, por exemplo, foi muito criticado pelos republicanos pelo uso recorde do Air Force One quando disputou a reeleição. Mas Bush já superou a marca de Clinton, mesmo faltando cinco meses para o pleito. A Casa Branca alega estar seguindo a lei e a tradição ao marcar esses eventos como "oficiais", apesar de os custos serem pagos com o dinheiro dos contribuintes. Bush já percorreu quase 110.000 quilômetros a bordo do Air Force One este ano, quase sempre dentro dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.