Bush acusa Kerry de insultar militares que estão no Iraque

A uma semana das eleições legislativas nos Estados Unidos, o presidente George W. Bush e o senador democrata John Kerry se envolveram numa polêmica provocada por comentários considerados ofensivos do senador sobre as tropas americanas no Iraque. A discussão começou na segunda-feira. O senador pelo Estado de Massachusetts afirmou, durante uma palestra para estudantes na Califórnia, que os jovens que não vão bem nos estudos têm de se conformar e ir lutar no Iraque. "Aproveitem em seus estudos, estudem bem, esforcem-se por seu desenvolvimento. Caso contrário, acabarão atolados no Iraque", disse Kerry. Em discurso de campanha, no Estado da Geórgia, Bush respondeu dizendo que as declarações de Kerry são "insultos vergonhosos". "As mulheres e homens que se listaram em nossas Forças Armadas como voluntários são muito inteligentes e fazem o serviço militar porque são patriotas. O senador Kerry deve a eles um pedido de desculpas", acrescentou Bush. Kerry, porém, não recuou. Numa entrevista coletiva em Seattle, no Estado de Washington, afirmou que suas críticas não se dirigiam aos soldados, e sim à política do presidente. "Não peço desculpas a ninguém pelas minhas críticas ao presidente e à sua política fracassada. Se alguém pensa que um veterano criticaria os mais de 140 mil heróis destacados no Iraque e não o presidente que nos levou para lá, é porque está louco", afirmou. O legislador, que recebeu condecorações por sua participação na Guerra do Vietnã, também acusou o governo Bush de levar o país à Guerra do Iraque com mentiras e sem ter estudado um plano adequado para a etapa posterior à intervenção militar. "O governo não equipou adequadamente as tropas e aumentou a ameaça terrorista", acrescentou. O Comando da Legião Americana, Paul Morin, pediu a Kerry que se desculpe diante das tropas americanas por sugerir que não têm educação. "Há uma geração, o senador Kerry caluniou seus camaradas do Vietnã ao dizer que eram violadores e assassinos. Não foi verdade na época e sua escabrosa visão dos heróis de hoje também não é verdade agora", disse Morin. "As tropas americanas no Iraque representam a força armada mais avançada e tecnologicamente superior que o mundo já viu", afirmou Morin. A Legião Americana é o maior grupo de veteranos de guerra dos EUA, com cerca de 2,7 milhões de membros. O senador republicano John McCain, ex-prisioneiro no Vietnã, disse que a idéia de que só os americanos menos educados se alistam para lutar no Iraque "é um insulto a cada soldado que hoje serve em combate".

Agencia Estado,

01 Novembro 2006 | 02h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.