Bush adverte Arafat para lutar contra terrorismo com atos

O presidente George W. Bush,externando horror e revolta com os ataques suicidas deste sábadoem Jerusalém, fez uma dura advertência ao líder palestino YasserArafat para que ele lute contra o terrorismo com ações - e nãoapenas com palavras. Seu enviado especial no Oriente Médio entregou rapidamente umamensagem direta para Arafat e Bush antecipou para este domingouma reunião marcada para a segunda-feira com Sharon. "Fiquei horrorizado e entristecido ao saber das explosões queocorreram em Jerusalém", afirmou Bush num comunicado emitido nacasa de descanso presidencial de Camp David. "Eu as condeno fortemente como atos de assassinato quenenhuma pessoa de consciência pode tolerar e nenhuma causa podejustificar. Em nome do povo americano, estendo minhas maisprofundas simpatias e condolências às famílias das vítimas e aomeu amigo primeiro-ministro Sharon e a todo o povo de Israel". Bush também telefonou para Sharon em Nova York para expressarsuas condolências diretamente e arranjar a antecipação dareunião com o primeiro-ministro para o meio-dia deste domingo. "O presidentre Arafat e a Autoridade Palestina têm deencontrar e prender imediatamente os responsáveis pelosassassinatos hediondos", disse Bush no comunicado. "Eles têmde agir rápida e decisivamente contra as organizações que osapóiam". Bush acrescentou: "Agora mais do que nunca, o presidenteArafat e a Autoridade Palestina têm de demonstrar através deações, e não meramente de palavras, seu comprometimento na lutacontra o terrorismo". Seguindo instruções de Bush, o enviado americano generalAnthony Zinni disse num comunicado divulgado em Jerusalém queconversou com Arafat e "deixei absolutamente claro que aquelesresponsáveis pelo planejamento e execução desses ataques têm deser encontrados e levados à justiça. Esta é uma tarefa urgente enão pode haver demoras nem desculpas para não se agirdecisivamente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.