Bush adverte Coréia do Norte

O presidente americano, George W. Bush, e o primeiro-ministro do Japão, Junichiro Koizumi, declararam nesta sexta-feira que tomarão "medidas mais duras" contra a Coréia do Norte se o país comunista provocar uma escalada na tensão nuclear. Acrescentaram, no entanto, que confiam em poder resolver a crise pacificamente. Bush se reuniu em sua fazenda do Texas com Koizumi e declarou que ambos vêem a crise nuclear da Coréia do Norte "exatamente da mesma maneira": opõem-se a que a Coréia do Norte tenha armas nucleares. "Não toleraremos armas nucleares na Coréia do Norte", disse Bush em entrevista à imprensa ao lado do líder japonês. "Não cederemos a chantagens", prosseguiu. "Não aceitaremos nada menos do que a eliminação do programa norte-coreano de armas nucleares de modo completo, verificável e irreversível". "Acreditamos que nosso enfoque diplomático trará consigo uma solução pacífica", disse Bush. "No entanto, estamos de acordo em que a contínua complicação da situação por parte de Pyongyang exigirá medidas mais firmes por parte da comunidade internacional". Koizumi fez eco à exigências de Bush, usando inclusive o mesmo tom. "A Coréia do Norte deve entender que ameaças e intimidações não servirão para nada", disse o dirigente japonês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.