Bush afirma "absoluta confiança" na decisão de ir à guerra

O presidente dos EUA, George W. Bush, defendeu o uso de informações dois serviços de espionagem para embasar sua decisão de ir à guerra no Iraque, mesmo depois de a administração americana ter reconhecido que um dos dados usados, citado por Bush em discurso proferido em janeiro, era falso. Bush se disse ?totalmente confiante? em suas ações. A oposição democrata afirma que o reconhecimento de que a acusação de que Saddam Hussein tentava compra urânio da África era falsa justifica uma ampla investigação sobre o uso de informações pelo governo antes da guerra. Bush, durante visita à África, tentou responder às críticas. ?Não há a menor dúvida em minha mente de que, quando tudo tiver terminado, os fatos mostrarão a verdade ao mundo?, disse. ?Haverá, vocês sabem, muitas tentativas de reescrever a história, e posso entender isso. Mas tenho confiança absoluta na decisão que tomei?. O presidente não se referiu à informação falsa contida no discurso sobre o Estado da União de janeiro. Em vez disso, defendeu a decisão de ir à guerra como baseada num volume muito maior de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.