Bush afirma que nação está em guerra com "fascistas islâmicos"

O presidente americano George W. Bush disse que o plano terrorista fracassado em Londres foi um "lembrete sério de que esta nação está em guerra com os fascistas islâmicos"."Este país está mais seguro do que era em 11 de setembro", disse Bush. "Tomamos uma série de medidas para proteger os americanos mas obviamente não estamos completamente seguros... É um erro acreditar que não há ameaça aos Estados Unidos da América".O presidente culpou diretamente o tipo de terrorismo da al-Qaida pelo ataque frustrado. "Esta nação está em guerra com os fascistas islâmicos que usarão quaisquer meios para destruir aqueles de nós que amam a liberdade, para ferir nossa nação", disse ele, he Said ao vivo na televisão.O porta-voz de Bush havia dito anteriormente que "é seguro viajar". O presidente pediu aos americanos que sejam pacientes com a série de inconveniências que resultarão do aumento no nível da ameaça.Durante suas férias, Bush vem sido totalmente informado das investigações que levaram à prisão de 21 pessoas no Reino Unido acusadas de envolvimento no plano, que as autoridades disseram ter envolvido explosivos escondidos nas bagagens de mão de passageiros a bordo de alguns vôos. Segurança O secretário de imprensa da Casa Branca, Tony Snow, disse que Bush aprovou nesta quarta o aumento do nível de ameaça para todos os vôos vindos do Reino Unido para vermelho, designando um risco sério de ataques terroristas. O secretário de Segurança Nacional Michael Chertoff e Conselho de Segurança Nacional também recomendaram que todos os outros vôos sejam colocados sob o alerta laranja, um abaixo do nível mais alto (vermelho), e o presidente aprovou a proposta.O aumento na segurança causou transtornos em todos os grandes aeroportos americanos. Segundo o correspondente do Estado em Washington, Paulo Sotero, no final da manhã, passageiros acumulavam-se em filas tanto nos balcões das companhias aéreas como nos portões de acesso aos vôos, onde a Transportation Security Administration adotou novos procedimentos na revista de passageiros e de suas bagagens de mão. "Nós acreditamos que o plano envolveu vôos do Reino Unido para os Estados Unidos e foi uma ameaça direta aos Estados Unidos", disse Snow. De acordo com ele, o aumento na segurança como resultado de um novo nível de ameaça é um inconveniência necessária.Ainda assim, apesar do que ele chamou se um ameaça de natureza séria, Snow disse que "é seguro viajar". Matéria alterada às 13h45 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.