Bush agradece Koizumi por apoio no Iraque e presenteia premier

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o premier japonês, Junichiro Koizumi, tiveram seu último encontro como chefes de Estado nesta quinta-feira, já que o mandatário japonês deixará o cargo em setembro. Mas antes, Bush agradeceu Koizumi por seu apoio durante a guerra do Iraque e ofereceu ao premier, um admirador confesso de Elvis Presley, um tour pela residência do roqueiro: Graceland. Os dois líderes mostraram ao mundo sua aliança e confrontaram ainda temas como os preparativos da Coréia do Norte para a realização de um teste com um míssil de longo alcance.Em uma coletiva de imprensa realizada na Casa Branca, com recorrentes referências a Elvis Presley, os dois líderes relembraram que seus países há 60 anos estavam em guerra, e apontaram a mudança das relações entre as nações. "Algo aconteceu desde quando nossos pais se olhavam com receio (...) até a visita de amanhã a ´Graceland´", disse Bush, que em outro momento brincou com a admiração de Koizumi por Elvis."É assombroso que possamos ter agora esta relação", manifestou o presidente americano, ressaltando a necessidade de que o bom relacionamento continue no futuro.O premier japonês também considerou que "quanto melhor forem estas relações, poderemos ter melhores laços com a China e outros países asiáticos".Bush destacou, por sua vez, o trabalho do Japão no Iraque, cujas tropas serão retiradas em breve, "já que fizeram um bom trabalho".Coréia do NorteOs dois mandatários enviaram uma firme mensagem para que a Coréia do Norte não realize o lançamento de um míssil balístico intercontinental tipo "Taepodong-2".O presidente americano assegurou que será "inaceitável" o lançamento do míssil de longo alcance e pediu a Pyongyang que explique ao mundo quais são suas intenções.O Japão e os Estados Unidos também declararam sua preocupação mútua com o programa nuclear iraniano. Koizumi apoiou Bush na busca por uma solução através do diálogo.Antes de sua reunião de duas horas. Bush presenteou Koizumi, com uma "jukebox", a tradicional máquina de discos que funciona com moedas. Na sexta-feira os dois governantes viajarão para Memphis para visitar a casa de Elvis Presley.Na conclusão de seu encontro na quinta-feira, Koizumi fez uma referencia à famosa música de Elvis, afirmando: "Muito obrigado povo americano por me amar ternamente", referindo-se à musica Love Me Tender. Boas relaçõesPresentear líderes com quem tem afinidades diplomáticas não é novidade para Bush. No mês passado, por exemplo, ele convidou o premier da Dinamarca para um passeio de bicicleta em Camp David."Bush gosta de recompensar os amigos que aceitam riscos", disse um ex-assessor de imprensa da Casa Branca, Ari Fleischer, citado pelo jornal New York Times.Contudo, a diplomacia pessoal tem seus pontos negativos, especialmente quando os amigos vão para longe, como é o caso de Koizumi e o primeiro-ministro britânico Tony Blair, que deixam seus cargos em breve."A personalização, típica de Bush, tem algumas vantagens a curto prazo", afirma o especialista em política externa do Instituto Brookings, Ivo H. Daalder. "Contudo, possui conseqüências negativas a longo prazo, particularmente quando lidamos com democracias, pois o relacionamento pessoal pode se tornar um obstáculo para lidar com o governo seguinte"De fato, Bush não possui laços tão estreitos com os novos primeiros-ministros da Itália e da Espanha quanto tinha com Silvio Berlusconi e José María Aznar. Os dois líderes apoiaram Bush na guerra do Iraque e também foram recompensados com convites para o rancho do presidente, a mais alta honraria na hierarquia de amigos de Bush.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.