Bush aprova guerra, mas não envia tropas à Colômbia

O presidente dos EUA, George W. Bush, renovou nesta quarta-feira seu apoio à luta do governo colombiano contra a guerrilha, mas voltou a descartar um envolvimento direto das tropas americanas no conflito armado no país sul-americano. Falando nesta quarta-feira à imprensa, que acompanhava sua visita à cidade de Charlotte, na Carolina do Norte, Bush disse que a lei que impede uma participação direta das Forças Armadas americanas no conflito "é muito clara". "Temos limites legais... Nós estamos fornecendo assessoria ao governo colombiano sobre a erradicação dos narcóticos, e as coisas continuarão assim, a lei é muito clara", disse Bush. O próprio presidente colombiano, Andrés Pastrana, revelou nesta quarta-feira que vem mantendo insistentes conversações com a Casa Branca em busca de obter permissão para utilizar a ajuda militar contra o narcotráfico na nova frente aberta na semana passada - o combate às guerrilheiras Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). "Se o governo colombiano decidir tomar iniciativas militares contra as Farc - que é o que parece ter decidido -, é um assunto que compete a ele", afirmou Bush.Embora reconhecendo que, "de fato, aplaudo os esforços do presidente Pastrana para impor a ordem em seu país", Bush voltou a afirmar que os EUA estão ?limitados pelas leis? e tem ?a intenção de se restringir a elas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.