Bush assina lei de tribunais militares para terroristas

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, assinou nesta terça-feira a lei que regula o tratamento desupostos terroristas e os tribunais militares que os julgarão, oque, segundo o governante americano, "ajudará a salvar vidas". "Com esta lei, os homens suspeitos de planejar o assassinato dequase 3 mil pessoas terão que enfrentar a Justiça", disse Bush nacerimônia da promulgação da lei, em alusão aos autores dos atentadosdo 11 de setembro de 2001. "Não é sempre que um presidente tem a oportunidade de assinar umalei que sabe que salvará vidas americanas. Mas eu tenho esseprivilégio esta manhã", prosseguiu. Segundo Bush, a nova legislação ajuda a garantir a segurança doPaís. Bush fez estas declarações na Casa Branca, em um ato que contouainda com a presença do vice-presidente Dick Cheney; do chefe doPentágono, Donald Rumsfeld, e do procurador-geral Alberto Gonzales,além de oficiais militares e congressistas. A lei, que estabelece os parâmetros sobre o tratamento, osinterrogatórios e os tribunais militares que julgarão os suspeitosde terrorismo, é uma peça fundamental do programa de segurança queos republicanos pretendem implantar, frente às eleições legislativasdo próximo dia 7 de novembro. Bush pediu ao Congresso que preparasse esta lei após a decisão daSuprema Corte contra os tribunais militares estabelecidos peloPentágono na base americana de Guantánamo. A Suprema Corte considerou que esses tribunais violavam tanto asleis americanas quanto as do direito internacional, e deixou nasmãos do Congresso a tarefa de elaborar uma lei sobre o tratamentodos acusados de terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.