Bush aumenta pressão sobre Conselho de Segurança

O presidente americano, George W.Bush, aumentou hoje a pressão sobre os membros relutantesdo Conselho de Segurança da ONU para que aprovem uma novaresolução, estabelecendo o dia 17 como ultimato para o totaldesarmamento do Iraque. "Como derradeiro recurso (caso opresidente iraquiano, Saddam Hussein, rejeite), nós vamos usar aforça", insistiu o presidente americano em seu tradicionalprograma radiofônico de todos os sábados. "Permitir a um perigoso ditador desafiar o mundo e construirum arsenal para expansão e assassinatos em massa não é trabalharpara a paz: é pura fantasia", insistiu. Bush também deu resposta ao inspetor-chefe de armas da ONU,Hans Blix, que pediu "meses" para neutralizar o arsenaliraquiano: "A equipe de inspeção não precisa de mais tempo.Tudo o que ela necessita é aquilo que jamais receberam: umacooperação total e completa do regime iraquiano." Em entrevista à BBC, também neste sábado, o chancelerbritânico, Jack Straw, disse acreditar na aprovação da novaresolução pelo Conselho de Segurança da ONU. "Acho que noprocesso dos debates poderemos chegar a um consenso que poderálevar a uma segunda resolução", estimou o chefe da diplomaciabritânica. O Japão se somou hoje a Grã-Bretanha e Espanha ao manifestarapoio à fixação do ultimato ao regime iraquiano. "A novaresolução, exortando a comunidade internacional a estabeleceruma data (dia 17) como última oportunidade para o desarmamento,conta com nossa aprovação", disse o chanceler japonês YorikoKawaguchi.Antraz - Blix assinala na página 173 de seu relatório que oIraque pode ter armazenado cerca de 10 mil litros de antraz,bactéria letal, que podem ser instaladas em ogivas do míssilScud (que tem autonomia de vôo de até 150 quilômetros, podendoatingir Israel).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.