Bush autoriza matar agentes iranianos no Iraque, diz jornal

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, autorizou os soldados americanos no Iraque a matar os membros dos serviços secretos do Irã infiltrados no país, informou a edição desta sexta-feira do jornal The Washington Post.Segundo os "funcionários do governo e das forças antiterroristas" americanos citados pelo jornal, Bush aprovou no ano passado uma nova política em relação aos iranianos no Iraque. A orientação de "matar ou capturar" substituiu a anterior, de "capturar e soltar".Pela norma anterior, as forças americanas, quando capturavam agentes iranianos no Iraque, se limitavam a interrogar e tirar as impressões digitais, mostras de DNA e imagens das retinas antes de liberar os detidos, num prazo de três ou quatro dias. O objetivo era evitar um conflito com Teerã.Um "funcionário governamental de alto nível" disse ao Washington Post que a política mudou porque "não prejudicava os iranianos". "Eles estavam atrapalhando a nossa missão no Iraque, e nós tivemos que nos esforçar para não lutar contra eles", acrescentou.As fontes americanas calculam que 150 membros dos serviços secretos do Irã, podem estar presentes no Iraque, além de um número não determinado de militares do Comando da Guarda Revolucionária.Além de endurecer o tratamento aos iranianos no Iraque, a Casa Branca também ampliou as medidas contra os milicianos libaneses do Hezbollah, apoiado pelo Irã, e para dificultar o financiamento iraniano ao partido radical palestino Hamas, acrescentaram as fontes.Os EUA também estariam preparando uma proposta de novas sanções internacionais contra o Irã, acusado de abrigar dúzias de militantes da Al-Qaeda que fugiram do Afeganistão após a invasão americana, em 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.