Bush busca apoio da China para pressionar Coréia do Norte

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, busca o apoio de seu colega chinês, Hu Jintao, para aumentar a pressão sobre a Coréia do Norte pelo encerramento do programa nuclear de Pyongyang.Os dois governantes se reuniram neste sábado por cerca de uma hora em Hanói, onde acontece a cúpula da Cooperação Econômica Ásia Pacífico (Apec, sigla em inglês)."A China é um país muito importante, e os EUA acreditam firmemente que se colaborarmos poderemos contribuir para resolver problemas, como os da Coréia do Norte e do Irã", disse Bush.O presidente americano dedicou boa parte de seu tempo durante a cúpula a reuniões bilaterais que buscam o apoio de seus aliados asiáticos para aumentar a pressão sobre o regime de Pyongyang.O próximo governante a se reunir com Bush é o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Neste sábado, o líder americano esteve com o presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, com os quais se reuniu primeiro separadamente, e depois com ambos em um encontro trilateral.As pressões americanas renderam a inclusão, na declaração final da cúpula, de uma menção à Coréia do Norte, na qual se expressa a preocupação dos 21 países-membros pelo teste nuclear realizado em outubro.A reunião entre Hu e Bush teve também um forte conteúdo econômicoe comercial. O presidente americano agradeceu a seu colega por seus esforçospara fazer da China "um país de consumidores, não de poupadores", oque vai trazer "benefícios" aos empresários dos EUA.Os Estados Unidos arrastam um déficit comercial em torno de US$ 150 bilhões com a China, um desequilíbrio que se transformou em um dos principais pontos de atrito nas relações entre os dois países.Washington quer que a China adquira mais produtos dos Estados Unidos e flexibilize a taxa de câmbio de sua divisa, o iene, que o Governo dos EUA acredita ser prejudicial às exportações do país.Os presidentes americano e chinês se reuniram pela terceira vez neste ano e louvaram o "excelente" estado das relações bilaterais entre os dois países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.