Bush chega a Praga para cúpula da Otan

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, pediu nesta terça-feira a seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que "venham conosco" e ajudem a desarmar o Iraque, apesar de diplomatas terem ressaltado mais cedo que a aliança não pegará em armas coletivamente para atacar o regime liderado por Saddam Hussein.Bush, primeiro dentre os 19 líderes da Otan a chegar à bela cidade de Praga para uma reunião de dois dias ofuscada pelo forte esquema de segurança, disse que as nações da aliança atlântica podem encontrar meios individuais de apoiar sua campanha contra Saddam."Todos podem contribuir de alguma forma", disse ele à tevê checa ao mesmo tempo em que a Casa Branca tentava reduzir as expectativas referentes a um amplo acordo da Otan sobre o Iraque."Isto tem de ser feito seguindo a estratégia das ameaças reais enfrentadas por nós no século 21, que é o terrorismo internacional. Esta é a maior ameaça à liberdade no momento", afirmou.A Otan pretende criar na quinta-feira uma força de resposta rápida composta por 21.000 homens e que pode ser mobilizada em 30 dias para enfrentar ameaças de terroristas, governos renegados ou crises regionais.Numa histórica convergência na direção da Rússia, a aliança pretende convidar sete ex-integrantes do bloco comunista para ingressar na Otan - Bulgária, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Letônia, Lituânia e Romênia.O temor de que algum atentado pudesse ocorrer durante a reunião de cúpula dos líderes da Otan levou o governo da República Checa a mobilizar 12.000 policiais, 2.200 soldados fortemente armados e unidades especiais antiterrorismo a fim de proteger os presidentes e primeiros-ministros que participarão do encontro, com início previsto para amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.