Bush cobra corte no financiamento a grupos radicais

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que a Arábia Saudita, o Egito e a Jordânia deveriam cortar o apoio financeiro aos grupos terroristas e ajudar a garantir a segurança em Israel a fim de viabilizar um Estado palestino, dentro do novo plano de paz para o Oriente Médio.Em uma tentativa de isolar o líder palestino Yasser Arafat, Bush destacou que chegou à conclusão de que "era impossível se chegar à paz com Arafat". Segundo o presidente dos EUA, Arafat "representava o povo palestino no passado".Na próxima semana, o líder americano se reunirá com o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, e com o premier palestino, Mahmud Abbas. Bush conversará também com os líderes da Arábia Saudita, Jordânia e Egito. Os encontros ocorrerão depois que Bush visitar a Polônia e a Rússia e fizer uma escala na França, onde participará brevemente da cúpula do G-8, em Evian.A viagem ao Oriente Médio traz o maior envolvimento pessoal, até agora, de Bush no processo de paz entre israelenses e palestinos. O presidente dos EUA afirmou que desejava se reunir com os líderes do Oriente Médio porque "quero colaborar com a solução de dois Estados no Oriente Médio - dois Estados, Israel e Palestina, que vivam lado a lado em paz. Em outras palavras, desejo que olhem nos meus olhos para verem que estou decidido a trabalhar para que isso ocorra".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.