Bush compara Iraque a Vietnã e diz apoiar Maliki

Um dia após se dizer frustrado com governo iraquiano, presidente recua e afirma que retirar tropas seria um erro

REUTERS, NYT E AP, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2023 | 00h00

Kansas City, EUA - O presidente dos EUA, George W. Bush, defendeu ontem a permanência das tropas americanas no Iraque usando como exemplo o que aconteceu na Guerra do Vietnã (1959-1975). Bush disse que a retirada das tropas americanas, em 1973, foi responsável por milhões de mortes no Camboja e no Vietnã e afetou a credibilidade internacional dos EUA. Conheça os piores acidentes com helicópteros"Naquela época, como agora, as pessoas diziam que o grande problema era a ocupação americana, que nossa retirada significaria o fim dos massacres", disse Bush. "O mundo saberia mais tarde o quanto custaria esse erro." O discurso foi feito em Kansas City para uma platéia de ex-combatentes, entre eles muitos veteranos da Guerra do Vietnã.Além das comparações com o Vietnã, o presidente dedicou boa parte de sua fala para tentar acalmar os ânimos do primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, tema acrescentado de última hora ao discurso presidencial. O premiê e Bush continuam sendo bons aliados, mas o recente desentendimento entre os dois mostrou que o companheirismo entre eles tem limite. Na segunda-feira, o senador democrata Carl Levin sugeriu ao Parlamento iraquiano que destituísse Maliki. No dia seguinte, Bush admitiu que estava "frustrado" com o governo do Iraque. Irritado com as declarações, Maliki respondeu. "Ninguém tem o direito de impor prazos para que o governo do Iraque comece a mostrar resultados", afirmou. Em seguida, o primeiro-ministro foi mais longe, classificando as críticas americanas de "indelicadas". "O Iraque pode encontrar a amigos em outros lugares", disse Maliki durante visita à Síria. Em Kansas City, Bush tentou esfriar a discussão e disse o premiê era "um bom rapaz". "Ele tem um trabalho difícil e conta com todo o meu apoio." Entretanto, o ponto mais polêmico do discurso de Bush foi mesmo as comparações históricas. Segundo ele, os ideais que levam a permanência dos EUA no Iraque são os mesmos que fizeram os americanos ajudarem japoneses e sul-coreanos em sua transição para a democracia. Sobre as críticas que vem recebendo, Bush voltou a citar o Vietnã, comparando o triunfo dos comunistas, em 1975, a uma eventual vitória da Al-Qaeda.O paradoxo, apontado por analistas políticos, é que a comparação entre o Vietnã e o Iraque sempre foi uma bandeira da oposição democrata. Os críticos da guerra contra o regime iraquiano sempre citavam o desastre contra os vietcongues como um exemplo a não ser seguido no conflito atual. Em seu discurso de ontem, Bush mostrou que a História pode ser interpretada também à sua maneira, o que irritou os oposicionistas. O senador John Kerry, que lutou no Vietnã e perdeu as eleições presidenciais para Bush, em 2004, disse que a comparação feita pelo presidente era "irresponsável" e "ignorante". "É muita infelicidade do presidente Bush querer comparar o Vietnã ao Iraque. Mas não me surpreende que ele queira simplificar as diferenças e salientar apenas as trágicas semelhanças", disse Kerry. "Se o presidente quer levar em conta as lições do Vietnã, ele deve mudar o curso da guerra já."O senador Harry Reid também repudiou a comparação e disse que a decisão de invadir o Iraque foi "o pior erro de política externa cometido na história dos EUA". Reid convocou novamente os democratas a pressionar por mudanças na estratégia militar americana no Iraque. VIETNÃ x IRAQUESEMELHANÇASResistência: os iraquianos, assim como os vietnamitas, lutam contra a ocupação americanaLimite da capacidade militar: os EUA têm cerca 160 mil homens no Iraque e se aproxima de sua capacidade máxima de envio de tropas, situação parecida com a do VietnãInimigo oculto: assim como o Vietnã consagrou o vietcongue como um combatente sem rosto, escondido na floresta, os americanos não sabem quem é o inimigo nas ruas de BagdáDIFERENÇASNúmero de baixas: os EUA perderam quase 60 mil homens no Vietnã. Até agora, no Iraque, foram menos de 4 milPetróleo: embora Bush diga que o conflito atual tenha um componente ideológico, como no Vietnã - a luta contra o comunismo -, o Iraque é rico em petróleo, o que dá uma forte razão econômica para a guerraTerritório: no Vietnã, os EUA atuavam dentro de um limite definido. No Iraque, não há fronteiras nem defesa territorial clássica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.