Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Bush: compromisso dos EUA no Iraque não é ilimitado

Em reunião inédita com deputados democratas, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse neste sábado que as profundas divisões sobre a guerra no Iraque não colocam o patriotismo dos críticos em dúvida. Ele afirmou ainda que o compromisso dos EUA no país árabe não é "ilimitado"."Vocês sabem, recebo com bons olhos o debate sobre a guerra, espero que saibam disso", disse Bush, no encontro com aproximadamente 200 deputados em um hotel na Virgínia.Segundo dois oficiais que participaram do encontro, e que falaram sob condição de anonimato, o presidente teria dito que se solidarizava com as angústias que muitos ali presentes expressavam diante da guerra. Bush também pediu apoio dos democratas à seu plano para acabar com a violência sectária que castiga o Iraque, dizendo que "não há nenhuma dúvida em meus pensamentos de que estou fazendo o melhor pela pátria". O presidente se disse ainda angustiado com a oposição democrata, dizendo que a guerra no Iraque "enobrece nossa alma".As palavras conciliatórias de Bush soaram semelhantes às ditas por ele em seu discurso sobre o Estado da Nação no início de janeiro, quando o presidente pediu apoio do Congresso democrata à nova estratégia para enviar 21,5 mil novos soldados ao Iraque e apresentou um plano para que os Estados Unidos aumentem o uso de biodiesel no país. Contudo, o nível de aplausos neste sábado deu uma indicação de que seu público estava feliz em ouvi-lo diretamente.Trabalhar junto"Nós estamos honrados com sua presença e ficamos encorajados com suas observações", disse Nancy Pelosi, democrata e a primeira presidente mulher da Câmara dos Representantes (deputados)americana. "Eu acredito que nós teremos uma boa oportunidade de trabalharmos junto", disse Pelosi em pronunciamento com Bush após o encontro.Bush respondeu à democrata: "Nós não concordamos sempre. É por esta razão que estamos em partidos diferentes. Mas, concordamos sobre o desejo de trabalhar juntos e eu realmente aprecio trabalhar com vocês. Sinto-me bem recebido."OS democratas, que em novembro lutaram voto a voto pelo controle da Casa com os republicanos, tem agora de dar uma resposta do Legislativo ao plano de guerra de Bush. O Congresso está preparando uma moção na qual apresentará alternativas ao projeto de Bush e poderá vetar o orçamento que o presidente pediu para a guerra, recusando-se ainda a aceitar o envio de mais de 20 mil novos soldados.Com isso em mente, Bush deu início ao seu discurso com palavras dóceis. "Escuto muitos membros desta Casa, eu sempre escutei os membros do meu partido, escutei o Exército e daí surgiu o plano, que eu acredito que seja o melhor e que tem muito para prosperar", disse, recebendo aplausos dos democratas.Bush insistiu na necessidade de um trabalho árduo do presidente iraquiano, Nuri Al-Maliki, para que o governo de Bagdá melhore, "de forma tangível", a política de combate à violência no país. "Eu sei que nós concordamos em algumas coisas", disse Bush aos democratas, "entre elas que o governo de Maliki terá de mostrar liderança forte", teria dito Bush segundo os oficiais.A Casa Branca disse que o encontro foi fechado para fortalecer a relação entre o presidente e os democratas, "oportunando uma franca e aberta discussão".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.