Bush culpa Hezbollah pela violência e diz que Israel deve se defender

O presidente dos Estados Unidos, George Bush, responsabilizou nesta quinta-feira (13) o grupo radical Hezbollah pela violência no Líbano, onde Israel atacou o aeroporto de Beirute em represália pelo seqüestro de dois de seus soldados.Em entrevista coletiva junto à chanceler alemã Angela Merkel, em Stralsund, no nordeste da Alemanha, Bush declarou que dará total apoio a Israel. "Quando a paz avança, os terroristas tentam destruí-la, e isto é o que ocorreu nesta ocasião. O Hezbollah atacou, matou soldados israelenses e seqüestrou outros", explicou o presidente norte-americano."Embora o Hezbollah não queira, os Estados Unidos e a Alemanha estarão decididos a fazer o que for necessário para conseguir a paz. Nós, que vivemos em paz, devemos colaborar para ajudar os agentes, Israel e Mahmoud Abbas (presidente da Autoridade Nacional Palestina)", acrescentou Bush.O presidente norte-americano explicou que ele e a secretária de Estado, Condoleezza Rice, entrarão em contato em contato com os líderes da região para tentar resolver a crise. No entanto, Bush classificou como legítima a utilização de armas para Israel se defender. "Os israelenses têm o direito de se defender. Todo país deve se defender dos ataques terroristas".Bush, que exigiu a libertação imediata dos soldados seqüestrados, também fez um pedido a favor da democracia no Líbano, que seria "importante para os libaneses e para a região. Já a chanceler alemã se referiu aos "alarmantes incidentes no Oriente Médio" e pediu a libertação dos soldados israelenses e o fim da violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.