Bush dará ultimato: ou Saddam abandona o país, ou haverá guerra

As consultas entre os membros do Conselho de Segurança da ONU ocorridas nesta manhã levaram os três países que defendem ação militar imediata contra o Iraque a suspender a iniciativa de colocar uma segunda resolução para votação. Os embaixadores na ONU da Grã-Bretanha, Estados Unidos e Espanha anunciaram pouco depois das 12 horas (de Brasília) que uma segunda resolução não será apresentada ao Conselho de Segurança. Especialistas observam que se a resolução não conseguisse votos necessários para sua aprovação, uma ofensiva militar dos aliados violaria as leis internacionais. No entanto, sem sua votação, o status legal da guerra entraria em um campo cinzento, permitindo aos Estados Unidos e a Grã-Bretanha alegar que já possuem autoridade para atacar o Iraque com base na resolução 1.441. Bush fará pronunciamentoO presidente norte-americano George W. Bush vai fazer um comunicado à nação às 22h (de Brasília), quando apresentará ultimato ao presidente iraquiano Saddam Hussein e dizer-lhe que "a janela da diplomacia está fechada". "Ele dirá que, para evitar o conflito militar, Saddam Hussein deve abandonar o país", informou o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. A Casa Branca marcou o comunicado após diplomatas dos EUA e da Grã-Bretanha terem anunciado nas Nações Unidas que não apresentarão sua resolução para voto no Conselho de Segurança. "A janela diplomática se fechou em resultado da falha da ONU em fazer Saddam cumprir suas próprias resoluções para desarmar-se", disse Fleischer. Ele negou-se a dizer se será dado ultimato a Saddam. "Não entrarei na discussão sobre quando os ataques militares podem ou não começar", afirmou. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.