Bush declara que não cederá e vai demolir prisão de Abu Ghraib

Na tentativa de esclarecer as crescentes dúvidas sobre a ocupação, o presidente George W. Bush declarou nesta segunda-feira, em discurso pela TV, que os EUA permanecerão no Iraque até que seja instaurada a liberdade e a democracia. Bush considerou provável que os rebeldes se tornem ?mais ativos e brutais? e sugeriu o envio de mais soldados norte-americanos. Atualmente, o efetivo dos EUA no Iraque é de 138 mil homens. Na mensagem de mais de 30 minutos, transmitida a partir do Colégio de Guerra do exército em Carlisle, na Pensilvânia, Bush também prometeu demolir a prisão de Abu Ghraib, que se tornou uma pedra no sapato do presidente desde as denúncias de abusos de poder e tortura a presos iraquianos. Cinco meses antes das eleições presidenciais, os problemas no Iraque têm levado a popularidade de Bush ao nível mais baixo desde o início de seu governo, e gerado cada vez mais dúvidas sobre a postura dos EUA na guerra. Em resposta, Bush enumerou cinco passos que, segundo ele, contribuirão para a consolidação da democracia e da liberdade no Iraque. São eles:  A transferência da autoridade a um governo iraquiano novo e soberano  A eliminação das ameaças à segurança e o crescimento das forças de segurança iraquianas  A ampliação do apoio internacional  A reconstrução do país, com a concentração no reparo da infra-estrutura  A organização de eleições nacionais Mesmo após a morte de quase 800 soldados norte-americanos no Iraque, o presidente afirmou que a violência continuará. ?Ainda haverá dias difíceis, e o caminho adiante poderá parecer caótico em algumas ocasiões?, alertou. ?Completar esses cinco passos para um governo soberano e democrático no Iraque não será fácil?, reconheceu Bush. ?É provável que haja violência antes e depois da transferência de poder?. Durante o discurso, Bush ainda se referiu ao assassinato do presidente do conselho de governo iraquiano, Izzadine Salim, na semana passada, e à morte e decapitação do norte-americano estadounidense Nicholas Berg. ?Nenhuma força inimiga freará os avanços no Iraque?, assinalou. O presidente acrescentou que as forças da coalizão e os iraquianos têm os mesmos inimigos: terroristas, milícias clandestinas e grupos leais a Saddam Hussein. ?Trabalhando como aliados, defenderemos o Iraque e derrotaremos esses inimigos?, completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.