Bush defende espionagem ao visitar soldados feridos

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, defendeu hoje energicamente seu programa de espionagem dentro do país que, sem autorização judicial, vigia as comunicações de supostos terroristas, em uma visita a soldados feridos em combate.Bush - que terminou hoje alguns dias de descanso no Texas por ocasião do fim do ano - viajou de helicóptero de seu rancho em Crawford para a base Randolph da Força Aérea, e dali foi de carro para o Centro Médico Brooke do Exército, em Fort Sam Houston, onde se reuniu com soldados feridos e seus parentes."Este hospital tem pessoal compassivo, que se preocupa profundamente de nossos homens e mulheres de uniforme", disse Bush. "Também está cheio de soldados, infantes da Marinha e pilotos valentes".Em uma conversa com os jornalistas, Bush respondeu às críticas que recebeu pelo fato de ter autorizado a Agência de Segurança Nacional (NSA, em inglês) a vigiar as ligações telefônicas e e-mails internacionais de pessoas nos EUA com supostos vínculos terroristas."Parece-me lógico que, se sabemos que há um número de telefone vinculado à Al Qaeda ou que há uma pessoa vinculada à Al Qaeda e estão fazendo ligações, acho que tem sentido que investiguemos do que se trata", disse Bush.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.