Bush denuncia planos terroristas e reafirma seu apoio ao Iraque

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, denunciou neste sábado planos terroristas da Al Qaeda no Iraque, e prometeu continuar sua guerra contra os "cruzados" neste país e em todo o Oriente Médio. Durante sua mensagem à nação transmitida no rádio aos sábados, Bush reafirmou seu "pleno apoio" ao novo Governo iraquiano, e disse que, apesar de todos os progressos alcançados, "mais dias de luta e sacrifício" são esperados no Iraque. "Estamos muito impressionados com o compromisso dos líderes iraquianos em manter a unidade de seu país e representar seu povo de forma eficaz", disse o presidente, cujos índices de popularidade caíram consideravelmente nos EUA por causa da guerra no Iraque. As últimas pesquisas indicam que a popularidade de Bush está abaixo de 40%, desgaste com o qual também contribuem os preços da gasolina, que estão acima de US$ 3 por galão (3,78 litros). O presidente mencionou os planos de desestabilização da rede terrorista Al Qaeda no Iraque e em todo o Oriente Médio. Bush declarou que o inimigo realiza "atos desesperados de violência" em território iraquiano porque sabe que a concretização da democracia será uma dupla derrota para eles. O presidente americano garantiu que a formação do novo Governo de Bagdá marca o início de uma nova etapa na participação dos EUA na democratização iraquiana. Na opinião de Bush, os terroristas reconhecem a ameaça representada pelo novo Governo de unidade no Iraque. Al-Zarqawi Esta semana, uma gravação em vídeo divulgada em site mostrou uma mensagem do homem mais procurado do Iraque, Abu Musab al-Zarqawi, na qual reitera sua decisão de lutar contra os "cruzados". No vídeo, Al-Zarqawi encorajou os combatentes do Iraque a continuarem com sua "guerra santa", ameaçou os grupos insurgentes que pensarem em declarar uma trégua, e lembrou sua obediência ao líder da Al Qaeda, Osama bin Laden. Bush falou sobre os planos terroristas um dia depois que o "número dois" da Al Qaeda, Ayman Al-Zawahiri, disse em outra mensagem de vídeo que sua organização prejudicou a estratégia dos EUA no Iraque, na terceira aparição de líderes terroristas em uma semana. Para o presidente, as aparições mostram a fraqueza dos terroristas. Bush disse que Al-Zarqawi "foi pego com a guarda baixa pelo novo Governo (iraquiano), que será muito forte na representação de todos os iraquianos". Novo governo Como uma mostra de seu apoio às novas autoridades iraquianas, Bush enviou esta semana a Bagdá o chefe do Pentágono, Donald Rumsfeld, e a secretária de Estado, Condoleezza Rice. Os dois elogiaram os novos líderes políticos do Iraque e pediram que a formação de um Governo no qual estejam representados todos os iraquianos. Rice e Rumsfeld, que chegaram na quarta-feira ao Iraque para apoiar o processo de formação do Governo, disseram que "todos os líderes iraquianos estão conscientes dos desafios que têm que enfrentar, e que o povo do Iraque espera que o (futuro) Governo seja capaz de enfrentar os desafios". Bush lembrou no sábado que os líderes do Iraque encaram grandes desafios, incluindo a melhora da infra-estrutura danificada e uma luta aberta contra a violência e a corrupção. O presidente americano disse que ajudar os iraquianos a construir a democracia contribuirá para a liberdade no Oriente Médio e tornará os Estados Unidos e o resto do mundo mais seguro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.