Bush discute ajuda a companhias aéreas

O presidente norte-americano, George W. Bush, vai se reunir hoje com seus conselheiros econômicos e um dos principais assuntos da agenda será como ajudar as companhias aéreas, disse o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. "O presidente vai falar sobre a economia e particularmente sobre o setor de aviação". Deverá ser discutido um plano de salvamento das empresas, envolvendo subsídios diretos e empréstimos. Ontem, o vice-presidente, Dick Cheney, disse que o governo está pronto para ajudar o setor aéreo, porque não faz sentido a aviação civil do país entrar em colapso na esteira dos ataques terroristas. O anúncio da Casa Branca foi feito depois de a Continental Airlines ter informado esta manhã que não vai pagar US$ 70 milhões em dívidas que vencem hoje. Em comunicado, a empresa disse que a suspensão do pagamento é resultado dos efeitos da "paralisação sem precedentes" dos vôos ordenada pela Agência Federal de Aviação na última terça-feira, do substancial aumento nos custos de segurança imposto pela agência depois dos atentados nos EUA e da drástica queda na demanda por transporte aéreo. A Continental planeja reduzir seus vôos e dispensar 12 mil de seus 56 mil funcionários. A United Airlines, por sua vez, confirmou hoje que planeja reduzir sua capacidade em 20% quando retomar as operações normais, mas não fez qualquer anúncio sobre cortes de pessoal ligados à redução da capacidade. A companhia tem quase 100 mil funcionários. A Mesa Air decidiu cortar 20% dos salários de seus executivos e também vai reduzir suas operações. A companhia vai reduzir os vôos totais em cerca de 7%. Outras empresas aéreas que também vão ajustar suas operações para baixo incluem a Northwest Airlines e a Delta Air Lines. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.