Bush diz que a "violência nunca será eliminada" no Iraque

Um dia depois de sua viajem surpresa ao Iraque, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, reconheceu nesta quarta-feira que a violência nunca será completamente eliminada do país árabe. Bush informou, no entanto, que as novas informações coletadas pelo serviço de inteligência no esconderijo do terrorista morto em um bombardeio americano, Abu Musab al-Zarqawi, ajudaram a aumentar a efetividade das ações contra o terrorismo e está contribuindo para um "firme progresso" do país. Em uma coletiva de imprensa na Casa Branca seis horas após sua volta do Iraque, Bush insistiu que as tropas americanas devem permanecer no país até que as forças de segurança locais consigam assumir todas as suas responsabilidades.Bush também elogiou o novo plano de segurança criado pelo premiê iraquiano, Nouri al-Maliki, que colocou milhares de soldados e policiais nas ruas iraquianas para investigar carros e proteger estradas.Em segredoA viagem do presidente ao Iraque foi cercada de toda a segurança possível, e apenas alguns funcionários do alto escalão governamental foram informados da visita secreta. Mesmo membros do Gabinete presidencial não sabiam da viagem de Bush.Na saída do presidente americano, a pista de decolagem utilizada pelo Força Aérea 1 - o avião presidencial - foi deixada em completa escuridão. A aeronave decolou com os faróis apagados e com o tanque de combustível quase pela metade, para a decolagem fosse mais rápida. Por este motivo, o Força Aérea 1 teve de fazer uma parada na volta da viagem para reabastecer. Bush defendeu as técnicas de segurança utilizadas em sua viagem, incluindo a não comunicação de sua visita a Maliki, que só recebeu a informação cinco minutos antes da chegada do presidente. Bush disse ser um alvo de "grande valor para alguns" e que "o Iraque é um lugar perigoso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.