Bush diz que ajudará Líbano contra Síria e Irã

O presidente americano, George W. Bush, prometeu ao primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, que ajudará o país a se defender do que chamou de "intromissões do Irã e da Síria", segundo um assessor da Casa Branca. De acordo com Gordon Johndroe, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Bush falou por telefone com Siniora e reiterou "o firme compromisso de Washington em ajudar a construir a democracia libanesa e a apoiar a independência contra as intromissões do Irã e da Síria". Bush e Siniora conversaram um dia depois do assassinato do ministro libanês anti-Síria Pierre Gemayel, pelo qual a Síria é acusada. Damasco, porém, condenou o assassinato e negou ter qualquer envolvimento. O crime também foi condenado pelo Irã e pelo Hezbollah, grupo militante xiita do Líbano que tem o apoio de Teerã e Damasco. O presidente americano não culpou explicitamente a Síria nem o Irã, mas defendeu uma investigação para identificar as "pessoas e forças" por trás do ataque. Tribunal internacional Na conversa com Siniora, Bush disse ainda que a violência não vai "impedir a comunidade internacional de estabelecer o tribunal especial para o Líbano". Tratava-se de uma referência aos planos, aprovados na terça-feira no Conselho de Segurança da ONU, de criação de um tribunal internacional para julgar os suspeitos pelo assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, em fevereiro de 2005. A proposta foi aprovada pelo governo libanês na semana passada, mesmo depois da renúncia de seis ministros pró-Síria que se opunham ao tribunal. Uma investigação da ONU implicou a Síria no assassinato de Hariri, mas o país negou envolvimento. Bush também teria telefonado para o pai do ministro morto, o ex-presidente do Líbano Amin Gemayel (1982-88), que teria pedido apoio internacional para encontrar os responsáveis pela morte do seu filho. Funeral Ministro da Indústria e importante líder cristão-maronita, Gemayel, de 34 anos, foi morto a tiros na terça-feira em seu carro numa área cristã da capital Beirute. Ele foi o quinto político libanês anti-Síria a ser assassinado nos últimos dois anos. Uma multidão acompanhou o funeral de Gemayel nesta quarta-feira. Partidários do ministro carregaram o caixão pelo vilarejo de Bikfaya, a leste de Beirute, no início do período de três dias de luto. A segurança foi reforçada no vilarejo e em todo o país em antecipação ao enterro do político, na quinta-feira. A multidão aplaudiu a passagem do caixão, e mulheres atiraram arroz de balcões. Também houve disparos de tiros para o alto. O caixão estava envolto na bandeira do partido de Gemayel, o Falange. Um padre fez as orações na casa da família Gemayel, com a presença dos familiares e amigos do político. Visitantes passaram pelo caixão, dando pêsames ao pai do político, Amin Gemayel. "Este é o quinto mártir da família Gemayel. Houve meu irmão, meu sobrinho, minha sobrinha, um primo e agora é Pierre, meu filho", disse Amin Gemayel. "É uma verdadeira tragédia, mas nós ainda temos fé e, quaisquer que sejam os sacrifícios que tiverem de ser feitos, nós vamos continuar. É uma batalha que estamos travando pela liberdade e pela democracia no Líbano".

Agencia Estado,

23 Novembro 2006 | 02h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.