Bush diz que EUA querem Bin Laden "vivo ou morto"

O presidente George W. Bush, disse hoje que os Estados Unidos querem Osama Bin Laden "vivo ou morto" e que aqueles que o protegem ?estão de sobreaviso?. Bush advertiu ao Taleban que leve a sério o pedido para que entreguem Bin Laden, principal suspeito dos atentados da semana passada que resultaram em, pelo menos, 5000 desaparecidos. Em sua visita ao Pentágono, onde 189 mortos, Bush disse "ganharemos a guerra e haverá custos", como referência às possíveis baixas militares.Bush disse que quer colocar "pressão" sobre os países que abrigam terroristas. Isso, ele acredita, irá "fazer os terroristas fugirem", o que dará aos EUA a oportunidade para capturá-los. A meta é fazer "com que fujam, para encontrá-los e caçá-los", disse Bush. Ele foi ambíguo sobre se os EUA iriam matar Bin Laden se tivessem a oportunidade. O presidente também voltou a chamar os terroristas de "bárbaros". O presidente participou de uma reunião sobre sua decisão de convocar 35 mil reservistas. Ele disse que esses reservistas desempenharão um papel fundamental na defesa dos EUA e afirmou que o exército dos EUA "está pronto para defender a liberdade a qualquer custo", alertando, mais uma vez, que a luta contra o terrorismo será uma batalha de longo prazo. Bush afirmou que tem "grande confiança" na economia norte-americana e que está disposto a considerar um pacote de estímulo econômico se isso for necessário para manter a economia em movimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.