Bush diz que falta de cooperação entre agências ajudaram Bin Laden

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, reconheceu nesta quinta-feira que o "muro" existente entre as diferentes agências federais de segurança "ajudaram" Osama bin Laden a atacar os Estados Unidos em 2001, mas considerou que foram realizados avanços "gigantescos" na luta contra o terrorismo.Em discurso pronunciado na Fundação de Políticas Públicas da Geórgia, em Atlanta, Bush afirmou que agora os EUA "aprenderam as lições do 11 de setembro de 2001". O presidente americano também defendeu o programa de escutas que uma juíza federal da cidade de Detroit (Michigan) ordenou em agosto que seja interrompido de forma imediata.A magistrada Anna Diggs Taylor considerou que o programa de espionagem inconstitucional. O projeto foi colocado em prática pelo Governo sem permissão de um juiz.No quarto dos cinco discursos que Bush está fazendo esta semana por ocasião do quinto aniversário dos ataques de 11 de setembro, o presidente pediu ao Congresso americano que permita um programa de espionagem "mais duro".Bush admitiu que Khalid Sheik Mohammed, considerado o número três da rede terrorista Al Qaeda antes de ser capturado no Paquistão em 2003, ofereceu "informações muito valiosas que ajudaram a prevenir futuros ataques nos EUA".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.