Bush diz que guerra no Iraque não fortalece terrorismo

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, classificou como um erro ingênuo pensar que a guerra no Iraque tenha resultado em um incremento nas atividades terroristas ao redor do globo. A declaração vai de encontro com um relatório de 16 serviços de inteligência americanos vazados à imprensa no último domingo, que concluiu que a invasão do Iraque ajudou a espalhar uma nova geração de radicalismo islâmico pelo mundo. O presidente acrescentou que irá desclassificar trechos do relatório."Algumas pessoas tentaram adivinhar o que havia no relatório e concluíram que a guerra no Iraque foi um erro. Eu discordo plenamente", disse o presidente em entrevista coletiva concedida ao lado do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, nesta terça-feira. Em uma referência às próximas eleições legislativas americanas, que acontecem no dia 7 de novembro, Bush disse acreditar que o vazamento de trechos do documento para a imprensa teve propósito político. As partes do relatório obtidas pelos meios de comunicação dão conta de que a ameaça terrorista global se agravou com as guerras do Afeganistão e Iraque.A oposição democrata usou o documento para ampliar suas críticas contra as políticas de Bush para o Iraque. A administração defende-se, entretanto, afirmando que apenas trechos do relatório foram divulgados, o que não dá uma noção geral da mensagem passada pelos serviços de inteligência.Políticos republicanos e democratas da Comissão de Inteligência do Senado pediram que a Casa Branca divulgue o material."É um erro acreditar que uma ofensiva contra as pessoas que querem prejudicar o povo americano nos torna menos seguros", disse Bush, referindo-se ao relatório.O presidente destacou que pediu a desclassificação de trechos do relatório ao Diretor de Inteligência Nacional, John Negroponte. O texto foi escrito em abril. "Vocês poderão lê-lo pessoalmente. Parem com toda essa especulação", finalizou.Texto ampliado às 16h10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.