Bush diz que guerrilheiro checheno "merecia morrer"

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta segunda-feira que o chefe guerrilheiro Shamil Basayev "merecia morrer". O líder checheno é acusado de ser o mandante do ataque em Beslan que deixou 331 mortos em 2004."Se ele foi a pessoa que ordenou o massacre de crianças emBeslan, merecia morrer", disse Bush em uma mesa-redonda comjornalistas russos, alemães, italianos e japoneses.Entre outras ações terroristas, Basayev é responsabilizado pelo massacre de 331 reféns, 186 deles crianças, em uma escola de Beslan - cidade da Ossétia do Norte -, em setembro de 2004.Ele também é acusado de ser o responsável pela ocupação do teatro Dubrovka de Moscou, em outubro de 2002, ação que levou 169 pessoas à morte.O comando da guerrilha separatista chechena confirmou hoje a morte de Basayev, classificado como um "mártir". O grupo assegurou que o guerrilheiro morreu na detonação de um caminhão carregado de explosivos, e não em uma operação do serviço secreto russo. Após a morte do líder dos separatistas chechenos Aslan Maskhadov em uma operação dos serviços de segurança russos em 8 de março de 2005, Basayev se transformou no principal chefe dos separatistas islâmicos.A figura de Basayev foi emblemática para a radicalização do movimento rebelde checheno e sua crescente dominação por islâmicos extremistas. Sua morte, considerada uma grande vitória para a política antiterror de Putin, é considera "ineficaz" quanto a diminuição da violência do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.