Bush diz que Iraque não está cumprindo exigências da ONU

O presidente americano, George W. Bush, afirmou nesta quinta-feira à noite que o Iraque não está cumprindo as exigências de desarmamento feitas pela ONU e advertiu que estão "nos estágios finais" os esforços diplomáticos pararesolver a questão. "Estamos apenas a dias de resolver este problema no Conselho de Segurança", disse Bush em entrevista coletiva na Casa Branca.Ele ressaltou que os EUA submeterão avotação no Conselho de Segurança da ONU uma nova resolução autorizando o uso da força, qualquer que seja o nível de apoio a essa iniciativa no organismo.Três países com poder de veto no conselho - França, Rússia e China - já expressaram sua total oposição a uma guerra e, ao lado da Alemanha, indicaram que bloquearão tal resolução. Bush, entretanto, acusou o regime de Saddam Hussein deesconder materiais para armas de destruição em massa e de ordenar a continuação da produção de mísseis proibidos."Essas não são ações de um regime que está se desarmando, são ações de um regime engajado numa charada deliberada", disse o presidente. "Essas são ações de um regime que está desafiando omundo sistematicamente e deliberadamente."Bush disse que agirá contra Saddam, mesmo que outros países não estejam dispostos a apoiar tal ação, mas garantiu que, se os americanos "tiverem de usar a força, muitos países" os apoiarão. "O risco de não fazer nada, o risco de esperar queSaddam Hussein mude de idéia e se torne uma alma gentil, é um risco que não estou disposto a aceitar para o povo americano", assinalou. "Não deixarei o povo americano à mercê do ditadoriraquiano e de suas armas."O presidente afirmou que, caso decidam atacar o Iraque, os EUA alertarão com antecedência os inspetores de armas da ONU e os funcionários humanitários para que deixem o territórioiraquiano. E ressaltou que, no caso de guerra, "haverá uma mudança de regime" no Iraque."Com a eliminação desse câncer (Saddam) do Iraque virá um novo governo que represente a todo opovo", disse Bush. "Um Iraque libertado será importante para aquela parte do mundo." Indagado sobre a crise com a Coréia do Norte, Bush afirmouque a melhor forma de lidar com as ambições nucleares do país asiático é por meio de uma abordagem multilateral. "Essa é uma questão regional", argumentou. "Digo isso porque há uma série de países que têm interesse direto na questão sobre se a Coréia do Norte tem arma nuclear ou não", acrescentou, citando o Japão a China, a Coréia do Sul e a Rússia."Essas nações precisam estar à altura de suas responsabilidades, junto com os EUA, econvencer (o líder norte-coreano) Kim Jong-il de que o desenvolvimento de um arsenal nuclear não é do interesse de seu país."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.