Bush diz que não divulga íntegra de relatório sobre terrorismo

A administração Bush tem defendido a divulgação parcial de um relatório que relaciona o conflito no Iraque com o terrorismo global, contra pedidos da divulgação na íntegra. A informação é da BBC.Os democratas da oposição argumentam que partes do relatório da inteligência, divulgados na terça-feira, não fornecem aos americanos informação suficiente.Há também rumores sobre a existência de um segundo relatório controverso sendo mantido em sigilo.Jane Harman, líder dos democratas no Comitê de Inteligência da Casa, sugeriu esse suposto segundo relatório, focado apenas no Iraque, que estaria sendo "retido até depois das eleições de novembro". Ela não viu o suposto relatório, mas acrescentou: "ouvi dizer que dá um quadro assustador".´Informação para a Al Qaeda´O presidente George W. Bush liberou trechos da Estimativa da Inteligência Nacional sobre terror global, compilação de todas as 16 agências de inteligência, após outros trechos terem vazado para a imprensa americana. Os trechos que vazaram foram publicados inicialmente no jornal New York Times de domingo.O assessor de segurança interna da Casa Branca, Fran Townsend, disse que partes do relatório estão sendo mantidos em sigilo pois "envolvem diretamente questões de segurança nacional" e haveria preocupações sobre a revelação de fontes e de métodos. Peter Hoekstra, membro republicano do Comitê de Inteligência da Casa, disse que a administração Está cautelosa "sobre o tipo de informação que queremos dar para a Al Qaeda.A decisão de liberar alguns trechos do relatório teve o apoio do secretário da Defesa, Donald Rumsfeld. "O povo americano e o mundo poderão ver a verdade e o que o documento diz precisamente", disse em visita a Albânia.Correspondentes dizem que os trechos proporcionam certo conforto à Casa Branca, pois eles concluem que a vitória no Iraque teria um grande impacto sobre o inimigo.Alguns dos pontos principais do relatório:- O conflito no Iraque se tornou questão de honra aos jihadistas- Apesar de serem uma pequena porcentagem dos muçulmanos, os militantes islâmicos estão aumentando tanto em número quanto em dispersão geográfica. - Se esse movimento continuar, ameaças aos interesses dos EUA se tornarão mais diversas, levando a um aumento dos ataques pelo mundo.- A perda dos principais líderes e a rápida sucessão provavelmente dividiria a Al Qaeda em grupos menores que imporiam uma séria ameaça aos interesses dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.