Bush diz que não será contido por protestos mundiais

O presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que a guerra contra o Iraque continua sendo uma última alternativa, mas que o risco de não se fazer nada é a pior opção. Em entrevista concedida após o juramento de William Donaldson como novo presidente da Securities & Exchange Commission, Bush afirmou que ele não será impedido pelos protestos pacifistas. Ele declarou que um líder não pode tomar suas decisões com base na dimensão de protestos. "Seria o mesmo que afirmar que eu vou decidir a política com base em um grupo focado. O papel de um líder é tomar decisões considerando a segurança da população", disse. No fim de semana, protestos de grandes proporções tomaram conta das ruas de algumas grandes cidades nos EUA e de outros países. "A democracia é uma coisa bela e as pessoas têm permissão para expressar suas opiniões, afirmou. "Algumas pessoas não encaram Saddam como um risco para a paz. Mas eu discordo respeitosamente", declarou.Bush reiterou que uma nova resolução sobre o Iraque seria útil, mas reforçou que os EUA não precisam dela. Segundo ele, Saddam não deu atenção para a resolução anterior. Ao ser perguntado sobre se os EUA darão uma nova chance ao Iraque, Bush respondeu: "você quer dizer uma nova outra chance?". "Saddam sabe das minhas intenções e que ele precisa se desarmar por completo. Mas ele é um sujeito que quer ganhar tempo e faz isso com adiamentos e enganos", afirmou.Em relação à Turquia, Bush disse que está esperançoso que a Casa Branca chegará a um acordo com o governo de Ancara para permitir o envio de tropas norte-americanas para o território turco, de onde seriam deslocadas para Bagdá. O governo turco quer uma compensação financeira para ceder seu território para tropas norte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.