Bush diz que perdeu paciência com Assad

No balanço do ano, presidente rejeita diálogo direto com Síria e critica lentidão de avanços políticos no Iraque

Washington, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2007 | 00h00

O presidente dos EUA, George W. Bush, fez ontem um balanço de 2007 em sua última entrevista coletiva do ano na Casa Branca. Bush criticou o progresso político no Iraque, disse que perdeu a paciência com a Síria e reclamou da oposição democrata no Congresso. Apesar das perguntas insistentes, Bush não fez nenhum comentário sobre a destruição em 2005, pela CIA, de fitas de vídeo que mostrariam prisioneiros sendo torturados em 2002 na base americana de Guantánamo, em Cuba. "Até que as investigações sejam concluídas, eu não vou dar nenhuma declaração sobre o assunto", afirmou.O presidente voltou a repetir que não sabia de nada e que foi Michael Hayden, diretor da CIA, que o informou o caso, no início de dezembro. Ontem, a agência de inteligência, temendo intimações judiciais dos deputados democratas, resolveu abrir seus arquivos para que o assunto possa ser investigado pelos congressistas.IRAQUENa entrevista, Bush criticou a falta de reformas na política iraquiana. "Muitas vezes, a política interna é que move a política externa. Estamos satisfeitos com o progresso no Iraque? É claro que não", disse.Quanto à Síria, o presidente americano descartou a possibilidade de tomar qualquer iniciativa para estabelecer um contato direto com o seu colega sírio, Bashar Assad. "Não preciso telefonar para ele. Ele sabe exatamente qual é minha posição", afirmou Bush. "Minha paciência com Assad esgotou-se há muito tempo porque ele protege o Hamas, o Hezbollah e os suicidas que saem de seu país e desestabilizam o Líbano."CONGRESSOO presidente acusou ainda a oposição democrata de perder tempo debatendo a retirada das tropas americanas do Iraque e de atrasar o financiamento dos militares no campo de batalha. No entanto, elogiou o Congresso por ter aprovado, embora com atraso de três meses, um orçamento de US$ 555 bilhões para financiar custos governamentais, incluindo US$ 70 bilhões para as guerras no Iraque e no Afeganistão. ASSOCIATED PRESSO QUE FALOU BUSH Disse que sua paciência com o presidente sírio, Bashar Assad, acabou ?há muito tempo? Afirmou que está insatisfeito com a lentidão das reformas políticas no Iraque Criticou a oposição democrata, que, segundo ele, tem atrasado o financiamento das tropas no Iraque e no Afeganistão Evitou falar sobre o fato de a CIA ter destruído fitas que mostrariam prisioneiros de Guantánamo sendo torturados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.