Bush diz ser um "advogado" da entrada da China na OMC

O presidente dos EUA, George W. Bush, concluiu seu pronunciamento - sobre o incidente envolvendo um avião de espionagem norte-americano e um caça chinês - dizendo que não tinha mais o que dizer sobre esse impasse. Contudo, quando foi questionado sobre as questões comerciais, Bush disse que ele é um "advogado" da entrada da China na Organização Mundial do Comércio (OMC). "Acredito que a China deve ser um dos nossos parceiros comerciais. Acredito que é de nosso interesse econômico abrir os mercados chineses para os produtos norte-americanos, aos nossos produtos agrícolas", disse. "Não apenas acredito que isso é de nosso interesse econômico, acredito que é do nosso interesse promover os valores norte-americanos e acredito que o mercado promove esses valores. Portanto, sou um advogado da entrada da China na OMC e tenho esperança que a atual situação será resolvida rapidamente", acrescentou. Bush disse ainda que apenas porque vê a China como um concorrente, isso não significa que os EUA não possam trabalhar com a China. Ele acrescentou que os EUA têm sérias diferenças em relação a China, particularmente, em questões como a proliferação de armas de destruição em massa. Bush disse ainda que questões de direitos humanos continuam sendo uma preocupação dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.