Bush e Blair assumem compromisso com Estado palestino

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, declarou em Washington que se abriu uma nova oportunidade para a resolução do conflito entre israelenses e palestinos. Numa entrevista coletiva concedida ao lado do primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, Bush reconheceu a existência de uma grande oportunidade para a criação de um Estado palestino soberano e independente."Eu pretendo usar meus próximos quatro anos de mandato para gastar o capital dos Estados Unidos na busca de um Estado palestino. Acredito que seja do interesse do mundo que um Estado verdadeiramente livre se desenvolva (na Palestina). Também sei que isso é do interesse do povo palestino", declarou.As declarações de Bush vêm à tona apenas algumas horas depois do sepultamento do histórico líder palestino Yasser Arafat em Ramallah, na Cisjordânia. Os governos Bush e Blair esperam que o surgimento de uma nova liderança palestina abra o caminho na direção da paz no Oriente Médio. Enquanto Bush pautou suas declarações com uma preocupação com a segurança de Israel, Blair enfatizou a necessidade de apoio para a causa palestina. "Se quisermos um Estado palestino viável, queremos garantir que a infra-estrutura econômica, política e de segurança desse Estado tome forma e venha a existir", afirmou o primeiro-ministro. "Temos a chance de nos próximos meses, com a eleição do novo presidente palestino, de lançar a pedra fundamental", disse Blair.Bush não se comprometeu com uma nova conferência de paz ou em mandar um enviado especial americano à região - dois pontos defendidos pela Europa - mas afirmou que os EUA "estão ansiosos para trabalhar com líderes palestinos que se comprometam a combater o terrorismo e se comprometam com reformas democráticas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.