Bush e Blair prometem vitória

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, aliados na guerra contra o terrorismo, prometeram, nesta quarta-feira, vitória, não importa quanto tempo seja necessário. "Somos pacientes, e o povo norte-americano é paciente. Isto é uma má notícia para o Taleban", afirmou Bush em coletiva na Casa Branca, depois de mais de uma hora de conversações entre ambos. "A determinação para que a Justiça seja feita é tão forte quanto o era no dia 11 de setembro", afirmou Blair, que cruzou o Oceano Atlântico a bordo de um supersônico Concorde, chegando aos EUA em menos de duas horas. Ao mesmo tempo em que os dois líderes mundiais previam uma vitória sobre a rede al-Qaeda no Afeganistão, Bush e Blair afirmaram que estão trabalhando para conseguir a paz no Oriente Médio. Falando em seguida a Bush, o primeiro-ministro Tony Blair afirmou que Osama bin Laden queria "roubar" a causa palestina para seus próprios propósitos. "Vamos colocar todas as nossas energias para fazer progressos a fim de trazer a paz para os israelenses e palestinos", disse Blair. Bin Laden é o suposto mentor intelectual dos ataques terroristas que mataram milhares de pessoas em Washington, Nova York e na Pensilvânia. Os atentados, chocantes, levaram Bush a declarar a guerra ao terrorismo e a uma série de medidas financeiras, militares e diplomáticas. A visita de Blair à Casa Branca é o mais recente passo na campanha contra o terrorismo, uma guerra que os britânicos têm apoiado tanto em termos retóricos como militares. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.