Bush e Clinton gravam apelos de ajuda ao Haiti

Os ex-presidentes americanos George W. Bush e Bill Clinton disseram que a tragédia no Haiti é uma oportunidade de deixar a política de lado e ajudar pessoas em necessidade. Atendendo a um pedido do presidente Barack Obama, Bush e Clinton gravaram participações em cinco programas de TV que devem ir ao ar neste domingo à noite. Obama havia pedido que os dois liderassem o esforço bipartidário de arrecadação de fundos privados para ajudar o país, devastado por um tremor de 7,0 graus no dia 12.

AE-AP, Agencia Estado

17 de janeiro de 2010 | 17h12

"Eu diria que este não é o momento de se concentrar em política", disse Bush em entrevista gravada ontem para o programa "Face the Nation", da rede CBS. "Há uma grande sensação de desespero. Então, estou concentrado na tentativa de ajudar as pessoas a lidar com o desespero."

Críticos de Obama alegam que o presidente está tentando obter ganhos políticos com sua ampla resposta à tragédia no Haiti. O crítico mais ferrenho tem sido o comentarista político conservador Rush Limbaugh, que em seu popular programa de rádio pediu que as pessoas não façam doações para ajudar o Haiti. Ele disse não estar certo de que o dinheiro doado através do site da Casa Branca será destinado aos esforços de ajuda, e alegou que os cidadãos americanos já contribuem o bastante com impostos.

"Eu acho que não ajuda em nada perder tempo com algo que, em minha opinião, é uma conversa infrutífera e sem sentido", Clinton disse sobre as críticas. Ele acrescentou que não é possível lidar com um desastre dessa magnitude apenas com dinheiro do governo.

Clinton disse ainda que o debate político é saudável em tempos normais, mas que seria perverso, num momento como este, deixar que ela atrapalhasse os esforços de ajuda.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotoBill ClintonGeorge Bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.