Bush e Clinton podem ser interrogados sobre atentado ao WTC

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o seu antecessor no cargo, Bill Clinton, podem vir a ser convocados a prestar declarações sobre o atentado de 11 de setembro de 2001, quando dois aviões colidiram com as torres do World Trade Center, em Nova York. Em entrevista à revista Time, John Lehman, um dos membros da comissão investigadora - formada por cinco republicanos e cinco democratas -, afirma os testemunhos são importantes para determinar que ambos os governos sabiam dos atentados antes deles acontecerem. Lehman quer saber se os dois presidentes conheciam os planos da rede terrorista Al Qaeda, dirigida por Osama Bin Laden, para atacar os Estados Unidos, e o que fizeram para combatê-los, antes de terem morrido mais de 3 mil pessoas. Segundo Lehman, a maioria dos membros da comissão vai apoiar esta iniciativa, embora reconheça "não ser o mais adequado uma comissão chamar formalmente um presidente para testemunhar". Ele acrescenta que, "por interesse do país e por interesse do presidente Clinton e do presidente Bush", estes deveriam reunir-se diretamente com os membros da comissão. A iniciativa conta com o apoio do republicano Richard Shelby, ex-membro da Comissão de Informações do Senado e atualmente membro da Comissão de Assuntos Bancários que, no passado, acusou a CIA e países como a Arábia Saudita de prejudicar a investigação.Nos meses posteriores aos atentados do 11 de setembro, surgiram provas de que a falta de coordenação entre as distintas agências de segurança dos Estados Unidos, especialmente a CIA e o FBI, impediram a comparação de dados que tivessem servido para descobrir os terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.