Bush e Laura fazem visita relâmpago a Bogotá

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, chegou neste domingo a Bogotá para uma visita de quase sete horas, a segunda que faz à Colômbia nos seis anos que está na Casa Branca.O avião presidencial aterrissou às 11h50 (13h50 de Brasília), no Comando Aéreo de Transporte Militar (Catam), base aérea localizada ao lado do Aeroporto Internacional Eldorado. Bush se reunirá com o presidente conservador, Alvaro Uribe, com o qual discutirá maior cooperação norte-americana no combate ao tráfico de drogas. Uribe é seu maior aliado na América Latina.Bush passará a maior parte do tempo no Palácio Narino, em Bogotá, que é um dos locais mais vigiados da Colômbia."O presidente quer encontrar-se com o presidente Uribe para demonstrar o apoio dos EUA à Colômbia", disse Gordon Johndroe, porta-voz do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca.Mas um escândalo ligando aliados de Uribe a gangues paramilitares de direita levou alguns democratas a questionarem o pedido da Casa Branca de 3,9 bilhões de dólares para mais ajuda à Colômbia nos próximos sete anos, além da validade do acordo de comércio com o país. O presidente norte-americano chega à Colômbia após ter visitado na quinta e sexta-feira o Brasil, e passado, no sábado, no Uruguai. No Brasil, Bush, sua mulher Laura, e o alto comando norte-americano participaram de vários eventos, entre eles a visita a uma ONG em São Paulo, na qual Bush tocou ganzá e dançou com as crianças.Estados Unidos e Brasil firmaram um memorando de cooperação para a transferência de tecnologia na fabricação de etanol, buscando o desenvolvimento de bicombustíveis em países pobres de América Central e Caribe.ProtestosUm comício de protesto contra a visita de Bush terminou em distúrbios, protagonizados por cerca de 200 jovens, que destruíram lojas, bancos e pontos de ônibus no centro de Bogotá.Os manifestantes também fizeram barricadas em alguns trechos da Sétima Avenida, que teve uma parte fechada para assegurar a passagem da comitiva do presidente norte-americano.Tour pela América LatinaCom a visita, Bush se torna neste domingo o primeiro presidente dos Estados Unidos desde Ronald Reagan a visitar Bogotá.Preocupado com a crescente influência anti-EUA do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, Bush tenta melhorar as relações com líderes de direita e da esquerda moderada na América Latina, onde a guerra no Iraque e as políticas de comércio e imigração tornaram-no profundamente impopular.Apesar de Bush já ter estado na Colômbia, ele será o primeiro chefe do Executivo dos EUA a visitar a capital do país desde 1982, em decisão que visa ressaltar as melhorias de segurança no governo de Uribe, o líder mais próximo dos EUA na região.Mas a Casa Branca não está tão confiante a ponto de deixar Bush passar a noite lá. O chefe da polícia nacional advertiu para o perigo de ataques de rebeldes esquerdistas durante a viagem e foi montado um enorme esquema de segurança para a visita.Vizinho de ChávezA visita a Bogotá colocará Bush ao lado do país de Chávez, mas o presidente venezuelano não estará em casa. O populista está fazendo uma viagem pela região para desafiar Bush e chamou o presidente norte-americano de hipócrita e imperialista.Bush recusou-se a mencionar Chávez pelo nome nas passagens pelo Brasil e pelo Uruguai, onde aproximou-se de líderes esquerdistas orientados para o mercado, que ele espera que balanceiem o poder de Chávez e sua busca por uma revolução socialista na região."Vim para a América do Sul e para a América Central para avançar uma diplomacia positiva e construtiva... em defesa do povo americano". disse Bush no Uruguai no sábado.Bush está divulgando uma mensagem mais leve, de alívio da pobreza na região onde o avanço da democracia pouco fez para diminuir as diferenças entre ricos e pobres.Em reflexo do ceticismo sobre a transformação de Bush, a viagem disparou protestos. Seu comboio passou por manifestantes com bandeiras que diziam "Bush assassino" e "Bush genocida" na noite de sábado na capital uruguaia.Chávez, que passa o segunda dia na Bolívia antes de partir para a Nicarágua na noite deste domingo, quando Bush irá para a vizinha Guatemala, culpa as políticas dos EUA pela pobreza.Bogotá recebeu mais de 4 bilhões de dólares em ajuda dos EUA desde 2000, principalmente militar e antinarcóticos.Bush deverá tentar também reassegurar Uribe sobre o acordo de livre-comércio assinado no ano passado. Os democratas que agora controlam o Congresso dos EUA exigiram mudanças.Depois da Colômbia, Bush viaja para Guatemala e México, dois países que também são governados pela direita, em contraste com a tendência na América Latina.Com EfeMatéria ampliada às 15h33

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.