Bush e Putin atacam programa nuclear iraniano

Escudo antimísseis no Leste Europeu e questão nuclear do Irã foram debatidos

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 19h15

Os presidentes dos Estados Unidos, George W. Bush, e da Rússia, Vladimir Putin, comprometeram-se a trabalhar em uma frente unida contra o programa nuclear iraniano, durante o encontro dos dois líderes na residência da família Bush, no estado de Maine, nesta segunda-feira, 2.Os principais assuntos discutidos foram o programa nuclear iraniano, a situação do Kosovo e o escudo antimísseis que os EUA querem instalar no Leste Europeu e sobre o qual a Rússia expressou seu ceticismo."Quando a Rússia e os EUA falam dentro das mesmas linhas, isso tende a ter um efeito e, portanto, eu agradeço a atitude dos russos nas Nações Unidas", disse Bush. "Nós estamos perto de reconhecer que temos que trabalhar juntos para enviar uma mensagem em comum", afirmou. "Continuaremos tendo êxito" na colaboração dos dois países dentro da ONU contra o programa iraniano, afirmou Putin.Os EUA propuseram novas sanções contra o Irã, diante da recusa do país a suspender suas atividades de enriquecimento de urânio. Para Washington, Teerã teria objetivos militares, apesar de o governo iraniano assegurar que seu programa tem fins pacíficos.Escudo antimíssilBush e Putin fizeram rápidas declarações após uma reunião de mais de uma hora que tinha como objetivo diminuir a tensão nas relações entre Washington e Moscou, que, de acordo com alguns analistas, atravessam o pior momento desde a Guerra Fria.O presidente americano insistiu nesta segunda que partes de um escudo antimíssil que os Estados Unidos planejam construir devem ser colocadas no Leste Europeu, apesar da oposição da Rússia. "Acho que a República Tcheca e a Polônia precisam ser parte integral do sistema", afirmou Bush a repórteres durante uma entrevista coletiva. Por seu lado, Putin afirmou não ver necessidade que o sistema esteja nos dois países do Leste Europeu e propôs expandir um plano de cooperação na área de defesa para incluir a Europa e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Na cúpula do Grupo dos Oito (G-8), formado pelos sete países mais industrializados do mundo e a Rússia, realizada na Alemanha, Putin ofereceu a Bush, como alternativa a seu projeto, o uso conjunto de uma base de radares no Azerbaijão.O presidente americano se mostrou então disposto a estudar a oferta, mas o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, afirmou, mais tarde, que as instalações no Azerbaijão não serviriam para o objetivo americano.Na reunião desta segunda, Putin insistiu que o plano americano deveria se expandir, para abranger também a Europa e os países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), e disse que as instalações na República Tcheca e na Polônia não serão necessárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.