Bush e Putin comemoram assinatura de acordo comercial

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e seu colega russo, Vladimir Putin, comemoraram neste domingo a assinatura de um acordo no qual os EUA dão sinal verde para a entrada da Rússia na Organização Mundial do Comércio. Ambos os governantes, que se reuniram neste domingo em Hanói após o encerramento da cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia Pacífico (Apec) do qual ambos participaram, abordaram a assinatura do acordo e os programas nucleares da Coréia do Norte e do Irã. Em declarações à imprensa, a segunda em menos de uma semana, Bush afirmou que se trata de "um bom acordo para os EUA e um acordo igualmente importante para a Rússia e para a comunidade comercial Internacional". Putin assegurou que o pacto "não seria possível sem vontade política, expressada pelo presidente dos EUA". "Estou de acordo com o senhor, George, que isto estabelece condições muito favoráveis para que solucionemos de maneira conjunta os problemas que desestabilizam as relações internacionais", acrescentou Putin. O acordo foi assinado pela representante de Comércio Exterior dos EUA, Susan Schwab, e o ministro russo de Desenvolvimento Econômico e Comércio, Herman Gref. O acordo bilateral permite que as exportações russas possam ser beneficiadas com tarifas desfrutadas pelos produtos dos membros da OMC, e ao mesmo tempo obriga a Rússia a seguir regras comerciais estabelecidas pelo organismo multilateral. Para que entre em vigor, o pacto tem que ser ratificado pelo Congresso americano, que para isso deverá suprimir uma série de restrições comerciais que afetam a Rússia, como a emenda Jackson-Vanik, dos tempos da extinta URSS. Após a reunião bilateral, Bush viajou a Ho Chi Minh, a antiga Saigon, de onde se desloca nesta segunda-feira à Indonésia para se reunir como presidente Susilo Yudhoyono, na última etapa de uma viagem pelo sudeste asiático na qual também visitou Cingapura.

Agencia Estado,

19 Novembro 2006 | 13h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.