Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Bush e Putin querem Coréia do Norte sem armas nucleares

O presidente americano,George W. Bush, e seu colega russo, Vladimir Putin, exortaramhoje a Coréia do Norte a abandonar seu programa de armasnucleares e manifestaram suas preocupação sobre o programaatômico do Irã. O líder americano também insistiu que o Iraquepossuía armas de destruição em massa. Tanto os EUA como a Rússia estão "decididos a enfrentar aameaça das armas de destruição em massa", disse Bush duranteuma entrevista coletiva após os dois líderes se encontrarem aportas fechadas por 45 minutos no Palácio Konstantin. "Exortamos firmemente a Coréia do Norte a desmantelar deforma visível, verificável e irreversível seu programa de armasnucleares", disse Bush. "Estamos preocupados pelo avançadoprograma nuclear do Irã e o instamos a cumprir totalmente comsuas obrigações do Tratado de Não-Proliferação Nuclear". Apesar de os dois líderes se oporem à disseminação datecnologia nuclear, eles continuam mantendo diferenças comrelação ao programa nuclear iraniano. O governo americanoassegura que a Rússia está ajudando o Irã a desenvolver umprograma de armas nucleares, vendendo-lhe tecnologia. Moscounega e assegura que o programa nuclear iraniano se destinaexclusivamente ao desenvolvimento pacífico de energia. Este foi o primeiro encontro entre os dois líderes desde aguerra no Iraque, liderada pelos EUA, à qual a Rússia se opôs. A reunião de 45 minutos entre Bush e Putin ocorreu em meio àscelebrações dos 300 anos de fundação de São Peterburgo e antesde eles viajarem para cidade francesa de Evian, ondeparticiparam da reunião do Grupo dos Oito. "Rússia e EUA estão preocupados com o avançado programanuclear iraniano. Nós compreendemos as conseqüências de o Irãpossuir uma arma nuclear e portanto desejamos colaborar... parainsistir que ele não possua uma arma nuclear", disse Bush,acrescentando: "Aprecio que Vladimir Putin compreenda esteassunto, assim como sua disposição de colaborar comigo e comoutros para resolvê-lo." "Estamos trabalhando de perto para confrontar os desafios denosso tempo. Nossos dois países sofreram muito nas mãos dosterroristas e nossos governos estão adotando medidas paraconfrontar essa ameaça", declarou o líder americano. Putin, no entanto, disse que a proliferação de armas nuclearesdeve ser evitada "não somente no que diz respeito ao Irã, mastambém com relação a outras nações". "Somos contra a utilização do pretexto de um programa dearmas nucleares no Irã... como instrumento de disputa deslealcontra nós. As posições de Rússia e EUA sobre a questão estãomuito mais próximas do que parece. Não necessitamos serconvencidos de que a proliferação de armas de destruição emmassa deve ser controlada e evitada em todo o mundo", destacouPutin. Questionado sobre a busca de armas de destruição em massa noIraque, Bush respondeu: "Descobrimos um sistema de armamento,laboratórios biológicos que o Iraque negou ter, e laboratóriosque estavam proibidos sob as resoluções da ONU." A acusação de Bush de que o Iraque possuía tais armas foi aprincipal justificativa para iniciar a guerra contra SaddamHussein. Contudo, tanto o Pentágono como os especialistasamericanos dizem que os dois laboratórios móveis encontrados noIraque não podem ser considerados armas. Putin não emitiu nenhuma opinião sobre o fato de que até agoranão foram realmente encontradas armas proibidas no Iraque.Apesar de Moscou ter-se oposto à invasão, os líderes russosdisseram que já deixaram a disputa para trás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.