Bush e Uribe trocam elogios em encontro no Salão Oval

Os presidentes dos EUA, George W. Bush, e da Colômbia, Alvaro Uribe, trocaram nesta quarta-feira elogios e idéias sobre objetivos comuns de defesa, desenvolvimento e liberdade, no início de uma nova era nas relações entre os dois países. Na realidade, o tratamento que lhe dispensou Bush desde o momento em que o recebeu no Salão Oval da Casa Branca não poderia ter sido melhor para um presidente que realiza a primeira visita a Washington após ter assumido suas funções há seis semanas em Bogotá."É uma honra acolher este grande homem, este amigo da liberdade no Salão Oval", disse Bush. "Fiquei visivelmente impressionado com sua visão de uma Colômbia pacífica e próspera".Uribe, que tinha entre os principais propósitos assentar as bases de uma amizade com Bush, correspondeu ao gesto do anfitrião com outro elogio. "Você tem dado um exemplo sumamente importante da forma pela qual devemos proceder para combater e derrotar o terrorismo", afirmou. "Necessitamos ter aliados como você e seu governo para que nós, os colombianos, possamos restaurar a lei e a ordem, a forma de criar empregos e melhorar nossos níveis de vida".A reunião de Bush com Uribe ocorreu um dia após o governo norte-americano ter pedido a extradição do líder paramilitar colombiano Carlos Castaño sob a acusação de narcotráfico. Bush disse que Castaño "tomou a decisão de ser terrorista e nós tomamos a decisão de que pague por isto". "Cremos que essa é parte de nossa responsabilidade como povo que ama a liberdade. Espero trabalhar com o presidente Uribe para fazê-los pagar se continuarem aterrorizando o mundo".Na luta contra o terrorismo, disse Bush, não importa quem seja a vítima. "O que importa é se praticam ou não atividades terroristas. Nós continuaremos combatendo o terror. Essa é a nossa obrigação. A história nos convocou para a ação." Uribe disse que procederá segundo os tratados internacionais e a leis colombianas no caso da extradição de Castaño.O presidente da Colômbia foi descrito por Bush como "o homem que disse ao povo de seu país que trabalharia para erradicar o terrorismo e o narcotráfico". "O povo colombiano acredita nele e, por essa razão, eu também".Uribe disse que abordou no encontro dois grandes temas: a segurança e a economia. Em matéria de segurança, falaram sobre as bases da política colombiana de segurança democrática, a necessidade de derrotar as fontes de financiamento do terror na Colômbia, que são as drogas, acesso a meios efetivos de obter essa vitória; os esforços que o povo colombiano está fazendo e a necessidade de ajuda por parte dos EUA.Na questão econômica, o diálogo girou em torno de um exame da necessidade de uma grande ajuda dos organismos multilaterais para que a Colômbia possa resolver os problemas fiscais, de financiamento do orçamento e para que tenha uma margem para investimentos, para começar a criar empregos e resgatar a dívida social.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.