Bush e Zemin examinam texto de carta

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o presidente da China, Jiang Zemin, estão revisando os rascunhos de uma carta para chegar a um "senso comum" que poderia levar à liberação dos 24 norte-americanos pertencentes à tripulação de um avião de espionagem dos EUA, disse um senador nesta sexta-feira. "As negociações estão progredindo", disse Bush. As declarações do presidente refletem um otimismo crescente, porém cauteloso, da administração Bush, enquanto diplomatas norte-americanos e chineses trabalham para chegar a uma solução. John Warner, presidente da Comissão de Forças Armadas do Senado, declarou, após uma reunião entre a CIA e o Pentágono, que ambos os lados estão escrevendo uma carta "que conterá trocas de pontos de vista" sobre como o avião de espionagem da Marinha norte-americana e um caça chinês colidiram no último domingo sobre o Mar do Sul da China. A carta, disse Warner, estava sendo negociada entre embaixador e funcionários dos ministérios de Relações Exteriores e "está sendo revisada tanto por nosso presidente quanto pelo presidente da China. Portanto, refletirá um senso comum". Ele disse que os Estados Unidos não pedirão desculpas no documento. "Acredito que o embaixador e outras autoridades já expressaram pesar pela perda de uma vida. Isto será tratado na carta", disse. O documento também estabelecerá um calendário para solucionar a disputa. A conclusão mais provável é que as duas partes exponham suas posições sobre a colisão aérea em uma reunião especial de uma comissão marítima conjunta criada há três anos para segurança no mar, disse um funcionário à Associated Press.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.