Bush elogia plano de Olmert para retirada da Cisjordânia

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, elogiou nesta terça-feira o plano do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, para uma definição unilateral das fronteiras da Cisjordânia, afirmando que a iniciativa pode ser um importante passo para a paz na região.Ainda que a Casa Branca tenha antecipado que não esperava decisões importantes durante o encontro, o presidente deu a entender que apóia o plano de Olmert, e que precisa "ouvir mais sobre detalhes do projeto". O chamado "Plano de Convergência" de Olmert prevê o estabelecimento de fronteiras de Israel de forma unilateral e a retirada de cerca de 70 mil colonos judeus da Cisjordânia.Contudo, Bush afirmou que um acordo negociado "servirá melhor a israelenses e palestinos e à causa da paz". Esta foi a primeira reunião do presidente americano com o novo líder israelense.Bush também pediu que Israel estabeleça negociações com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, como uma alternativa ao governo liderado pelo Hamas. O presidente americano afirmou que o grupo extremista palestino deve reconhecer o Estado de Israel, abandonar o terrorismo e todos os acordos firmados anteriormente. "Nenhum país pode estabelecer um acordo de paz com aqueles que negam seu direito de existir e usam o terror para atacar sua população", acrescentou. Na mesma coletiva de imprensa, Olmert disse que estende à mão a Abbas, e espera que ele tome os passos necessários para a evolução das negociações. O premier afirmou que a ascensão do Hamas, que se recusa a reconhecer Israel, "prejudica seriamente a passibilidade de promover um acordo de paz genuíno".Crise iranianaOs dois líderes também dedicaram boa parte de sua reunião para abordar a crise nuclear iraniana, sobre a qual possuem a mesma postura. Segundo Olmert, as ambições nucleares do Irã "abrem um perigoso precedente de armamento no Oriente Médio". "Não se pode tolerar que um país que demonstrou uma conduta irresponsável de maneira reiterada tenha armas nucleares", alegou o premier, acrescentando que este é o momento para uma ação das Nações Unidas. Bush manifestou de maneira similar e afirmou sua esperança de que a crise seja resolvida de maneira diplomática.Antes de sua sessão na Casa Branca com Bush, Olmert discutiu as preocupações sobre o programa nuclear iraniano com o secretário de Defesa Donald H. Rumsfeld, em uma entrevista de 35 minutos no Pentágono. Na quarta-feira o premier israelense deve se encontrar com o vice-presidente Dick Cheney e o porta-voz do Senado Dennis Hastert e se dirigir a uma reunião conjunta entre as duas câmaras do Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.