Bush errou ao acusar Saddam de comprar urânio na África

A Casa Branca reconheceu pela primeira vez que o presidente George W. Bush estava errado ao ter dito, em seu discurso sobre o Estado da União, em janeiro, que o Iraque estava tentando comprar urânio na África para recomeçar seu programa de armas nucleares.O reconhecimento do governo americano foi estimulado pela publicação do relatório de uma comissão parlamentar britânica que levantou sérias dúvidas sobre a credibilidade dos serviços de inteligência ingleses, citados por Bush como parte do esforço de convencer os EUA de que o programa de armas de destruição em massa de Saddam Hussein era uma ameaça à segurança nacional.A equipe parlamentar britânica disse que não ficou claro por que o governo inglês insistiu que havia informações de que o Iraque tentou comprar quantidades significativas de urânio na África. Notou também que a CIA já havia descartado essa informação.Questionado sobre o relatório britânico, o governo americano divulgou uma nota dizendo que, depois de semanas de discussões sobre a declaração da compra de urânio pelo Iraque, reconheceu que a informação que dava fundamento ao discurso do presidente estava errada. "De posse de todas as informações, a referência à tentativa do Iraque de comprar urânio da África não deveria ter sido incluída no discurso para o Estado da União", disse um alto funcionário do governo americano, em nota autorizada pela Casa Branca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.