Bush espera que França ofereça mais tropas para reforçar força de paz

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, expressou nesta sexta-feira seu desejo de que França ofereça mais soldados além do contingente inicial de 200 homens que já prometeu para reforçar a Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Finul)."A França afirmou que enviaria algumas tropas. Esperamos que enviem mais", declarou o presidente americano à imprensa durante uma entrevista realizada em Camp David, onde ele se reuniu hoje com sua equipe econômica. Estão chegando "diferentes sinais" da França, afirmou Bush, que também disse que o país europeu é "um amigo" e "um aliado" com o qual os EUA compartilham "interesses comuns". Segundo Bush, o presidente da França, Jacques Chirac, "deixou claro que acredita que a democracia no Líbano é muito importante".As autoridades francesas, que se comprometeram a tomar o comando da Finul quando ela for ampliada, anunciaram uma contribuição de apenas 200 soldados, que se juntarão aos 200 capacetes azuis franceses que já fazem parte da operação da ONU.Segundo o presidente americano, foram justamente os EUA e a França que patrocinaram a resolução das Nações Unidas que regula o final das hostilidades entre Israel e o Hezbollah no Líbano.Ele também disse que parece normal que a milícia xiita afirme ter vencido o conflito, pois "acredito que faria o mesmo se fosse um deles", porém deixou claro que continua acreditando que o Hezbollah foi o perdedor.O tempo mostrará isto, segundo o presidente americano, que reconheceu que "às vezes o povo precisa de um tempo para perceber quais são as forças que criam estabilidade e as que não"."O Hezbollah é uma força de instabilidade", de acordo com Bush, que defendeu que a milícia xiita foi a responsável pela crise do Líbano e pela destruição que atingiu o país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.