Bush espera que Maliki colabore na luta contra "extremistas"

O presidente americano, George W. Bush, pensa em enviar tropas adicionais ao Iraque e conta com a colaboração do primeiro-ministro iraquiano, o xiita Nouri al-Maliki, na luta contra os "extremistas", inclusive as milícias xiitas.Foi o que disseram vários dos mais de 30 senadores republicanos convocados na segunda-feira pelo presidente americano. As declarações dos políticos foram publicadas nesta terça-feira pelo jornal The Washington Post.O plano de Bush é de intensificar as operações militares em Bagdá e na província sunita de Anbar. Já as forças iraquianas teriam que se impor em Cidade de Sadr, o imenso bairro de Bagdá, com 2 milhões de habitantes, que é reduto do Exército Mahdi, grupo do líder xiita radical Moqtada al-Sadr.Segundo o Washington Post, os senadores afirmaram que Bush acredita no sucesso do seu novo projeto estratégico para o Iraque, que será revelado num discurso transmitido pela TV, quarta-feira, às 21h de Washington (0h de quinta-feira, em Brasília).A razão, segundo os senadores, é que Maliki mudou de atitude. Ele agora estaria preparado para enfrentar as milícias xiitas."Ficou claro, pelo menos para mim, que ele tomou a decisão a favor da intensificação", comentou o senador Gordon Smith, do Oregon.Outros senadores saíram do encontro com a mesma impressão. Mas explicaram Bush não especificou o número de soldados que pretende enviar a Bagdá e à província de Anbar.Olympia Snowe, do Maine, como outros senadores, confessou seu "ceticismo profundo". Para ela, uma intensificação dificilmente poderá "enfrentar as causas fundamentais da desconfiança e do ódio entre as seitas".Snowe lembrou que durante a reunião perguntou a Bush que diferença teria seu novo projeto em relação aos anteriores. O presidente respondeu que Maliki "mudou completamente" de atitude.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.