Bush impõe novas sanções contra junta militar de Mianmar

Pacote inclui o congelamento dos bens de todos os membros que compõe a junta militar que governa o país

Associated Press,

19 de outubro de 2007 | 17h20

Numa tentativa de punir a junta militar que governo Mianmar, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou nesta sexta-feira, 19, um novo pacote de sanções contra o país asiático. Esta é a segunda vez em menos de dois meses que os Estados Unidos impõe medidas para retaliar a violenta resposta do regime contra as manifestações pró-democracia do mês passado.  Veja TambémEnxurrada de calcinhas em Mianmar: é o movimento pela paz Em pronunciamento nesta sexta-feira, o presidente afirmou ter ordenado o congelamento dos bens de todos os membros da junta. Bush também enrijeceu o controle das exportações americanas para o país e pediu maior pressão sobre o governo birmanês à China e à Índia. "Monges foram mortos. Milhares de manifestantes pró-democracia foram presos. Os governantes da Birmânia continuam a desafiar às justas demandas globais para que parem com essas perseguições odiosas", disse o presidente, referindo-se ao antigo nome da ex-colônia britânica. Os Estados Unidos não reconhecem a mudança. No mês passado, dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas das principais cidades do país para protestar contra o aumento no preço dos combustíveis. Com a crescente adesão popular, as manifestações se politizaram, transformando-se em atos pró-democracia. Mianmar vive sob um regime militar desde os anos 1960. Os números oficiais confirmam a morte de dez pessoas nas manifestações, mas ativistas pró-democracia e diplomatas estrangeiros afirmam que o número pode ser bem maior.

Tudo o que sabemos sobre:
George W. BushMianmarestados Uindos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.